2006-03-18

Arrogância e humildade

Estranho como certas coisas chamam a atenção quando faltam. Algo que é onipresente é invisível, mas quando não está mais lá parece circundado com luzes de neon. Enigmático? Nem tanto. Notei imediatamente quando cheguei. Aqui nenhum beco tem cheiro de xixi. Isso quer dizer que as pessoas não fazem xixi em cantos, escadas, embaixo de pontes, muros, nada. Notei o cheiro que estava faltando em cada rincão escuro. Nunca teria percebido, se não faltasse.

O cheiro de xixi é uma assinatura dos becos de São Paulo. Se mencionarmos o problema no Brasil, as pessoas justificam de alguma maneira como: é a falta de educação, o poder público não dá escola... Isso quer dizer que tirar o pinto para fora e fazer ou não fazer xixi em um canto é um problema de educação? Educação básica ou educação superior? Podem também justificar dizendo que o governo não dá banheiro público, e as pessoas não tem opções para se aliviar. Interessante... Será esse mesmo o problema?

Acho que não. Fazer xixi na rua é o ato de arrogância suprema: "Tô com vontade, e daí?" É raiva manifesta contra todos os que forem passar por aí. É como o cachorro que diz para os que vão passar depois: "estive aqui e fiz".

Seria interessante ver o que aconteceria se houvesse uma penalidade, se multassem quem fizesse. Se isso acontecesse, eu até já vejo a indignação, a fúria e a revolta dos mijões. ONGs em defesa do direito do cidadão de se aliviar organizando passeatas, protestos. Causaria muitíssimo mais indignação que as roubalheiras do PT.

Aqui ninguém faz. Acho que é por humildade. Ninguém quer causar incômodo para ninguém. Humildemente se agüentam até chegar em casa ou até achar algum banheiro. A arrogância não é do gringo, é do produto nacional, da gente do Brasil.


3 comentários:

Anônimo disse...

Nas minhas andanças, vi que o ato de mijar em vias públicas não é um privilégio apenas de brasileiros. Nos países andinos presenciei aymaras (constatação sem preconceitos!) com suas saias enormes e rodadas se acocorarem e originarem grandes rios pelas calçadas..... muito à vontade, diria vc. No país do sol nascente, vi muitos executivos embriagados, cambaleantes pelas noites de Tokyo se aliviarem como nossos amigos caninos. A atitude é a mesma, embora lá grandes e eficientes caminhões de limpeza com suas mangueiras potentes eliminam o mal cheiro e os resíduos. A educação brasileira é extremamente deficiente e, na minha opinião, é a causa do nosso estágio de involução. Aliado a este sério problema, a formação do indivíduo em casa, de modelos paternos defeituosos compromete ainda mais o cuidado com coisas públicas e o seu comportamento de modo geral. A falta de cidadania. Concordo com a sua indignação e lamento o estado de coisas de um país eternamente "do futuro".

Zappi disse...

Caro anônimo,

Acho incrível... no Japão? De qualquer modo usei o xixi como exemplo apenas. Acho que precisaríamos mesmo de uma punição exemplar, quem sabe umas chibatadas? Garanto que o problema diminui, mas as ONGs...

Leãdro Wojak disse...

Acho que vc toca num ponto importante.
Por um lado, certamente, é uma questão de educação. De outro, é a inexistência de banheiros públicos. Chega ao ponto de poucas estações de metrô terem banheiros abertos ao público.
A saída é sempre correr para um boteco, que chegam a cobrar por isso.
Quando a Erundina era prefeita, dizia que não colocava latas de lixo na rua porque a população tinha o costume de jogar lixo no chão.
Vai ver que não existem banheiros públicos porque acham que prefirimos regar os jardins públicos.