2007-06-16

Pichar ou não pichar?

Parece que o Lula andou reclamando dos brasileiros que falam mal do Brasil. Considero-me parte envolvida, portanto vou me defender.

Para começar, os brasileiros não falam mal do Brasil. Eles falam mal do que é ruim no Brasil. Há uma diferença: quando reclamam do ambiente carregado de chumbo do Rio de Janeiro não estão falando mal do Brasil. Estão dizendo que o governo é responsável pela segurança pública e, em vez de agir, dá risada enquanto traficantes protegidos pelo próprio governo distribuem balas que na imprensa são chamadas simpaticamente de "balas perdidas".

O brasileiro até que reclama pouco para a situação que enfrenta. O pai de uma amiga minha acaba de falecer, depois de muitos anos doente. O que o governo fez? Recusou-se a restituir o imposto do pobre homem, com a justificativa de que "havia gastos excessivos com médico". O governo segurou por 3 anos o dinheiro que era dele de direito!

Aqui na Austrália é diferente. Fiz a minha declaração, com direito a restituição. O governo devolveu o meu dinheiro imediatamente após a declaração! Na verdade, em algumas situações a restituição demora 15 dias e os australianos reclamam! Eles têm razão. O governo não está dando nada na restituição: está devolvendo o que tomou indevidamente. Alguns brasileiros são tontos o bastante para achar que estão recebendo algum presente do governo...

Quando morava aí, eu trabalhava em um escritório nos Jardins, em São Paulo. No espaço de um ano foram assassinados a mulher de um funcionário do prédio e o filho de outro. Eu não ouvi grandes reclamações... só algo como "Deus quis" ou "envolveu-se com bandido". Para um prédio pequeno com 10 ou 15 funcionários, duas mortes no mesmo ano não correlacionadas é o equivalente a uma guerra civil. Não é para reclamar? O governo não se mexe? Não, e até defende os bandidos. Na última ação da polícia em São Paulo foram presos mais de 2000 e em poucos dias 1000 estavam soltos. Indulto de dia das Mães assinado pelo próprio Lula solta o PCC nas ruas para assassinar policiais enquanto Alckmin tinha alguma chance de vencer o Lula. Então tá. Novamente fica claro que o brasileiro não reclama de praticamente nada. E o Lula diz que falam mal do país.

Anna Verkholantseva, primeira harpista da Filarmônica de Moscou Quando qualquer australiano me pergunta algo sobre o Brasil eu digo a verdade. Se eles querem visitar o Rio, desaconselho. Ingênuos, não sabem se defender em um ambiente de delinquentes como esse. Como aconteceu com esta harpista russa que foi atacada saindo do hotel. Todos os dias acontece algo. Todos os turistas que vão ao Brasil tem alguma má experiência.

Na verdade, o grande problema no Brasil é saber por onde começar. Tem tanta coisa errada, tem tantos safados roubando o país, a começar pelo Lula, seu filhinho Lulinha e seu irmãozinho Vavá, que fica difícil saber onde começar a reclamar. O Brasil é hoje um país tomado por um sistema podre, uma mentalidade que ignora completamente o bom senso, e tudo o que o Lula e seu partido fazem diariamente é contribuir para a piora. Nessa sobrecarga de desfaçatez e lixo, saem-se bem. As pessoas se cansam e dizem: "pare de reclamar, veja o lado positivo". Em meio a uma guerra genocida as pessoas preferem esquecer, fugir da realidade, negá-la. Essa reação é justamente a que impede que algo melhore.

Lula é o mais perfeito cafetão da miséria e tem como únicas preocupações endeusar a pobreza, ampliar o roubo e preservar a ignorância do brasileiro coió. Se o brasileiro reclamasse de verdade, essa mamata acabaria. Ele mal reclama, mesmo quando tem que engolir algo tão nauseabundo como as mentiras que o Lula e sua corja vomitam todos os dias.

4 comentários:

Orlando Tambosi disse...

Já fiz uma chamada lá em casa...
Abs.

Bira disse...

A harpista russa seria uma opressora neo-capitalista?.

Reginaldo Almeida disse...

Vi a chamada do Orlando Tambosi, aproveito pra fazer uma chamada no meu Blog também.

Te confesso que daqui do México, tenho até raiva de ler coisas do Brasil. O Lula é uma vergonha para qualquer pessoa esclarecida sem conflito de interesses.

Confesso que quando nos nivelam (os brasileiros) com o nosso presidente, tenho profunda vergonha de me afirmar brasileiro.

ielpo disse...

Me parece que o distinto molusco está ocupando o assento errado no "camburão". O lugar mais apropriado seria um pouco mais para trás... de preferência com um adorno metálico unindo seus punhos...