2007-09-21

Nosso amigo, o favelado

O Brasil nunca me decepciona. Quanto mais óbvio o que digo, maior é a polêmica que suscita. Bom-senso nunca foi o forte do país que acha que analfabetismo é uma coisa boa, porque pura.

Uma amiga que estudou na FAU uma vez me veio, toda orgulhosa, falar sobre um projeto da faculdade para móveis e utensílios domésticos especialmente projetados para favelados. Eu disse que achava ridículo. Favelas são aberrações e como tal tem que ser combatidas. Inventar privadas para favelas só cristaliza a imundície como padrão áureo. Ela se ofendeu.

Quando mencionei neste blog a demolição como a solução definitiva para as favelas, um favelado, cujo apelido é Eduardo, me mandou um comentário interessante. Ele escreve muito bem para um favelado. Vejam aqui:

Sr. Paulo, é a primeira vez que navego pelo seu blog e a impressão que tenho é que estou a frente de um altar à arrogância e impertinência de um privilegiado observador do mundo que parece registrar obviedades, mas que esconde um enorme preconceito, uma míope compreensão das coisas, assim como um ego descomunal de uma pessoa, que através de críticas (envolventes, tenho que admitir!) inconclusivas, manipula um séquito de ignorantes e igualmente míopes. Vamos a este "post", irônico e pedagógico, que apresenta a favela como "insalubres, nojentas, perigosas, escondem traficantes, mulas de tráfico e criminosos de todo tipo". Sou favelado. Não por opção. E não me enquadro neste genérico e preconceituoso cenário.

Lamento muito a sua situação de favelado, caro Eduardo. Entretanto nada do que você disse muda o fato de que as favelas são, sim, insalubres, nojentas e perigosas, escondem traficantes, mulas de tráfico e criminosos de todo tipo. Você não disse nada para refutar a minha afirmação. Sendo assim, mantenho tudo o que disse. A verdade pode doer, mas isso não faz dela menos verdade. Quanto a eu manipular um séquito de ignorantes, bem, acho isso um tanto exagerado... Eu, manipular alguém???? Quem quiser lê o meu blog. Quem não quiser, pula fora. Simples assim.

Infelizmente não moro na Austrália, não aprecio música clássica, porém sofro no dia a dia com aquilo, que tão garbosamente é descrito por você. Sou trabalhador de família humilde, que pego condução para trabalhar e receber um salário de fome que mal dá para a alimentação. Não posso comprar os livros, nem os CDs indicados por você!

Se não aprecia música classica nem precisa comprar os CD's indicados por mim, não é mesmo? Quanto aos livros, se você me disser quais são os que você gostaria de comprar, por favor mande o seu endereço que eu e meu séquito de ignorantes míopes vamos fazer uma vaquinha para lhe enviar os livros. Eu acho que dinheiro não se deve doar, mas livros sempre fazem bem. Quanto a receber um salário de fome, acho que com o seu nível de instrução você consegue fazer melhor que isso. É só fazer um esforço para mudar. Tenho certeza que você consegue.

Não sou ateu, porque preciso acreditar em algo maior para justificar o injustificável.

Acho que seria importante repensar: para quê justificar o injustificável?

Não estou reclamando, estou batalhando por uma vida melhor. Faço a minha parte. É muito fácil criticar, falar mal de um Brasil (indigno e corrupto, involuído e com problemas de um local incivilizado e doente), quando se mora no outro lado do planeta cheio de mordomias, lugares bonitos, comida boa e oportunidades para todos.

Aqui não tem tantas "mordomias" assim. A Australia é um país capitalista onde cada um recebe de acordo com o que o mercado paga. A maior parte da população é educada e de classe média. Lugares bonitos e comida boa tem no Brasil também. Criticar não é fácil? Você não acha que seria mais fácil para mim calar a boca e continuar minha vida australiana? O maior problema do país do presidente analfabeto é que é um país que não suporta críticas. Não suporta a lógica tampouco.

Difícil é enfrentar a vida da favela, as "balas perdidas" ironizadas por você,...

Para quem só entrou hoje no meu blog, até que você leu bastante. Entretanto não entendeu bem meu post "Balas Perdidas", onde critico o conceito. Se são balas é porque alguém disparou, não é mesmo? Existe alguém que deu o tiro. Então não são perdidas. Leia novamente aqui.

...conviver com políticos e policiais corruptos, fazer contas "simples" para esticar o salário de um sub-emprego informal.

Já disse que acho que você consegue algo melhor que um indecente sub-emprego.


Difícil é não poder ficar doente, pois não temos atendimento hospitalar público decente. Mais difícil é encaminharmos nossos filhos para a escola pública, de péssima qualidade (sempre lembrada por você que, naturalmente, estudou em uma boa escola particular) que nos acorrenta a uma situação sócio-econômica sem perspectivas.

Você tem a obrigação de sair da favela. Ainda tem filhos? Pelamordedeus! Não tem vergonha de deixar os seus filhos nessa situação não? Uma sugestão de emprego para você, pagando 4500 reais ainda com assistência médica e odontológica: clique aqui. Preguiça é uma coisa muito feia, meu caro favelado.

Gostaria de pedir a você análises menos primárias e óbvias (populistas, sim você também é populista neste tipo de crítica vazia e panfletária), mais abrangentes (pois me parece que você é inteligente e capaz). Parodiando o final do seu blog, nada é simples ! o seu olhar, sim, este é simplista. Vc é bastante claro nos seus pensamentos, embora de uma mente escura e polarizada. O duro, não é entender o óbvio, e sim analisar de forma imparcial, objetiva qualquer assunto que chame a sua atenção. Sou o primeiro a recomendar a você que continue a escrever. Mas para isso, use óculos ! Seu amigo favelado, Eduardo.

Nada é simples quando não se olham as opções. Uma é sair do país, opção que eu escolhi. Existem muitas outras, entretanto. Você é inteligente, Eduardo. Acredito que seja também capaz. Pessoalmente, duvido que more na favela. Acho que a favela é que mora em você. Livre-se dela.

12 comentários:

Bira disse...

Nossa, todas as formas de "non sense data venia", explico.
A população sempre esteve com a faca e o queijo nas mãos, mas "tonta", entrega uma procuração a populistas e nada muda e esta permanece calada!.
Sair da favela está nas mãos de cada um, basta fazer valer o voto.
O mesmo vale para educação, saude, transporte.
Acorda povo chorão!

Miguel disse...

Parabéns! Resposta à altura. Brilhante! Um bom planejamento familiar e até controle da natalidade em alguns casos, reduziriam este "câncer social"!

Maria do Espírito Santo disse...

O dia que esse Edu-petralha falastrão aí for favelado galinha fará clareamento na dentadura. Mas o melhor da festa foram as suas rebatidas: perfeitas. Parabéns pelas suas idéias claras e distintas e também por divulgá-las neste interessantíssimo blog.

Otacílio Guimarães disse...

Zappi, serei o primeiro a colaborar com a compra de livros para o Eduardo. Mas, com uma condição: que ele pare de ler a bíblia e caia fora da igreja evangélica que ele frequenta. Isto só atraza as pessoas, embota o raciocínio. Outra coisa: resolvi aceitar o convite dele para visitar a favela em que ele mora. Me mande o endereço, Eduardo, terei muito prazer em lhe visitar até por curiosidade. Nunca ví um favelado tão inteligente, escrevendo tão bem. Tem mais: vou levar um repórter de um grande jornal ou revista comigo para fazer uma reportagem sobre você e mostrar para o mundo que a favela tem seus encantos e... pessoas que sabem escrever bem. Você é um fenômeno, Eduardo. Se não descobriu isto ainda, tem que continuar morando na favela. Olha, falando sério, se o Lula lhe descobrir você vai acabar ministro. O Lula é capaz de criar um ministério só para você: Ministério da Cultura dos Favelados.

LuizF disse...

Zappi,

um esquerdopata "isento" favelado? quá quá quá!
Porque o "Eduardo" não prova isso? escrever o que ele escreveu, até eu, que nunca pisei na favela sou capaz. Mas antes passei por todo ciclo educacional. Ah! claro! eu _não_ quero, definitivamente morar na favela. Só faltou dizer que além de tudo isso que ele está "passando", feliz, na favela, também é "afro-descendente" e por isso, "estica o salário de um sub-emprego informal". Vá se catar, Eduardo, não insulte a inteligência alheia.

LuizF

eduardo disse...

Sr. Zappi, aqui estou novamente (Edu-petralha falastão! Para decepção de minha fã não sou simpatizante do PT), e espero, contribuindo de alguma forma (exaltando os ânimos de “zappetes” desvairadas ou chamando conscientes de vigília para a discussão). Agradeço a sua atenção em responder aos meus comentários. Além do mais, graças à sua indicação, encaminhei o meu humilde currículo à livraria de São Paulo. Quando obtiver um retorno virei celebrar no seu blog.... Quanto à vaquinha das “zappetes”, embora mordaz, enviarei oportunamente alguns títulos para a sua apreciação. Para começar, embora de seu conhecimento (enquanto você jamais confessará!), a favela não é somente um covil de criminosos à espreita para roubar, matar ou estuprar. Assim como a Barra da Tijuca ou os Jardins não é uma assembléia de elementos do bem... E qualquer atitude radical, impensada e inconseqüente, como a ilustrada por você no seu blog, agravará os problemas existentes e o confronto social, no qual você se alistou, embora de forma confortável ao teclar no seu micro (um notebook, claro!) enquanto degusta um vinho branco (acertei?). Problemas complexos como moradia, educação, saneamento e tráfico de drogas, merecem uma abordagem, no mínimo mais responsável. Proponha ações concretas, exija dos seus políticos (você vota? Ou se esconde no fato de estar distante?) o cumprimento de promessas de campanha. Tenho a certeza que você escolhe os seus representantes (do PSDB, claro!) de forma criteriosa e estudada (é o mínimo que posso esperar de alguém que se dedica aos assuntos de seu blog). Faça uso de sua mente privilegiada (fruto de investimentos em educação, formação familiar, acesso à informação e a um mundo esclarecido) e não atue como um simples “favelado”ignorante e criminoso. Tenho sim, a obrigação de melhorar a minha condição, assim como a de meus familiares. Tenho filhos, sim ! Favelado não pode ter filhos? É um privilégio apenas de pessoas “bem nascidas”? Para favelados como eu é um “câncer social” como escreve seu “zappete” Miguel (que nível!). Sr. Zappi, espero mais do senhor! Ou é partidário do meu amigo Otacílio (espero que ele não se ofenda ao chamá-lo de amigo..... tão sensível que é!) que prega a vasectomia / ligadura para a minha comunidade. Quanto aos comentários de outra “zappete” alucinada (LuizF) é simplesmente lamentável! Recomendo a ele um tratamento psicológico (bem básico, pois tenho a convicção que ele terá problemas de compreensão!) para resgatar a “inteligência alheia” e entender os “esquerdopatas afro-descendentes”. À propósito, não preciso fazer um convite pessoal para ele ou você (ou para as “zappetes”) para conhecer a favela onde moro. Favela não é um privilégio do Brasil (infelizmente). Procure uma mais próxima para saciar a sua curiosidade míope! Ou encontrar a sua consciência perdida!

Saramar disse...

Zappi, quanto preconceito habita a alma desse rapaz, Eduardo!
Pelo tom das palavras dele, todo mundo que nao é favelado, é branco, tucano, arrogante, doente, etc., etc.
Coitado, ele sim, precisa abrir mais os olhos para enxergar que a mera existência de favelas já é uma violência contra os cidadãos que nela vivem e contra a cidade onde ela se instala.

beijos, boa semana para você.

LuizF disse...

Zappi,

parece que o nosso "favelado" é um dos que saiu da Sorbonne e resolveu "estagiar" na favela. Esquerda à la Sartre, pobrezinho, ele ainda está lá em 1968 e não percebeu que passamos um século adiante. Isso nem é lamentável, é burro mesmo. Ou como ele gosta, é "míope".

Antes de qualquer coisa, minha recomendação, "Eduardo", segue em pé: vá insultar a inteligência alheia, não a minha. Talvez a do pessoal da favela, onde certamente vc é ouvido e respeitado. Não precisamos que isso seja feito conosco.
Em minha percepção, "Eduardo", voce não passa de um "pomarete", se é que me entende. A Maria do Espírito Santo sabe a que me refiro, ela foi direto ao ponto. Voce é, como sabemos, membro de um grupo seguidor de um método, e pior: reconhecível ao primeiro olhar. Daí sua recomendação de um tratamento psicológico "básico" para mim? ou "lavagem cerebral" não me seria mais apropriado? Fico grato a voce pois é bom saber que alucino e reajo (ainda) quando vejo tamanha quantidade de besteiras escritas por voce de forma tão melíflua.

Pelo visto, ficou entendido que o seu recado de pobrismo atrasado e ignorante, mesmo que bem escrito, é vulgar, não cola, tem um certo verniz literato mas esconde um conteúdo apodrecido e de quinta categoria.

Que tal, "Eduardo", nos contar o que _voce_ faz pelo seu povo da favela? vir aqui com esta conversa mole, supostamente bem intencionada mas boba e chorosa, encobrindo sua real intenção é o mais fácil que existe. Eu tenho certeza que faço pela(s) favela(s) mais do que voce, tanto quanto tenho certeza de quão fútil é este papo de "não precisar conhecer a favela onde moro", que voce nos está arrotando.
É aritmético: o que pago de imposto passa longe e muito acima do que vc devolve para a "sua" favela através das contribuições obrigatórias como assalariado.
Em um ponto de sua diatribe inicial fala em "esticar o salário de um sub-emprego informal" ... que diabos é isso? Como costuma dizer o nosso Apedeuta gatuno, "o dado concreto" é que com o seu domínio do idioma, poderá fazer uma representação escrita contra seu empregador no TRT para isso ficar melhor resolvido, não é mesmo? porque voce não se vira, então? a "luta continua, camarada".

Se vc acha mesmo que a Austrália é o paraíso de quem "mora no outro lado do planeta cheio de mordomias, lugares bonitos, comida boa e oportunidades para todos", porque raios não vai, então, para lá? sei, vai ser difícil esta conversa mole convencer alguma autoridade de lá. E assim, as coisas ficam difíceis, muito mais do que aqui, terra de bananões, não é mesmo? Típico de pessoas como voce: lei do menor esforço, afinal, dá trabalho.

Voce falhou em um dos preceitos básicos das "pomaretes" (sim, é o que voce de fato é): esqueceu de xingar o "séquito de ignorantes e igualmente míopes" que lêem e comentam no blog, de "mérdios", "irados", "reaças" etc, como a sua turma nos chama em outros blogs. Sério: para ficar completo, só faltou voce dizer que "quando sair da favela não vai fazer curso em Harvard".

Mais algumas coisas que devem ficar claras para voce parar de nos amolar com este seu papo bocó:
- endosso 100% o que Maria falou acima: se vc não for petralhão, vou providenciar para todas as minhas galinhas o tratamento de clareamento dental. Voce poderá escrever até cansar: _nunca_ me convencerá (e nem vejo mesmo como isso iria ocorrer) de sua "isenção", de sua "batalha por vida melhor", "não sou ateu", "balas perdidas" e por aí vai.
- pode ter certeza, ninguém propõe que vc vá fazer vasectomia. Nem que não possa ter filhos (quando sabemos que são os menos afortunados os ue menos cuidam de planejamento familiar). Até mesmo o seu partido é quem propõe legalizar o aborto, não é mesmo? Porém, tenha seus filhos quando puder dar a eles condições melhores. Coisa que vc mesmo diz não poder fazer atualmente. Não usou a cabeça na hora da "encomenda"? se sim, não tem de que reclamar. Se não, arque com as devidas consequencias! simples assim, "Eduardo". Ninguém mais deve pagar por meus próprios atos errados, como a petralhada gosta de afirmar. Ou voce vai me dizer que "não sabia", parafraseando o seu líder maior?
- ele é quem diz que a saúde no nosso país "está à beira da perfeição". Do que vc reclama então? (vc escreveu: "Difícil é não poder ficar doente, pois não temos atendimento hospitalar público decente").
- o seu líder também afirma que nunca antes "nessepaiz" foi usado tanto dinheiro na educação e vc fala da "péssima qualidade da escola pública"? só digo isso porque estudei toda minha vida na escola pública e não tenho do que reclamar, posto que ela somente me deu uma base, o resto eu tive de construir por mim mesmo.
- pior: logo no início de seu choro, voce fala "Não estou reclamando, estou batalhando por uma vida melhor" e depois ao nos atacar, se contradiz?

Em resumo, "Eduardo": vá se catar e ver se estamos na esquina ... aproveite a viagem e veja se a minha "consciência perdida" não se encontra por lá.

LuizF
ps: Seu pseudônimo está entre aspas pela simples razão de que duvido até mesmo que este seja seu nome.

Anônimo disse...

MEU AMIGO EDUARDO, BOM DIA !!!

SE CONSELHO FOSSE BOM NINGUÉM DARIA.... ENFIM , UFA!! VOA LÁ!!
EDUARDO ELES NAO ENTENDERAM SUA COLOCAÇÃO , ENTÃO PRA QUE SE PREOCUPAR COM ELES E, COMO DIZIA
JOSE INGINEROS: AI DAQUELE QUE FICA DEBAIXO DA SOMBRA DOS OUTROS SEM QUERER VÊR O BRILHO DO SOL .... POIS QUE VIVA EM FAVELAS,QUE RECEBA X MISERIA,POIS ESTÃO CONTENTES ASSIM....
ROBIN HOOD

Anônimo disse...

Eduardo,

Pq. vc. como favelado não vai pedir um "bolsa-família" para o Lula? Cara, vc. está preso a todos os discursos de esquerda da década de 30! Acho que a favela que vc. vive é uma às margens da Marginal Pinheiros entre o Jaguaré e o Butantã... A favela da FFLCH-USP. Tirando o fato de vc. ser evangélico, vc. acredita em tudo que aquele pessoal acredita.

Bento disse...

Criticar é bom e fácil!! Então quando se está do lado dos "bons" e "certos", é mesmo uma sensação explendida!!
Eu queria era ver se voçês nascessem no meio duma favela, sem condições nenhumas e com um pc e um teclado á frente... Aí sim eu ia ver quem ia para o lado de quem!! Fácil meus senhores, agora pensem e abram os olhos.
Comprimentos e um bom 2008 com passagem prá Austrália em lugar de luxo!

Anônimo disse...

Quando não si conhece a verdadeira história, ou fica restrito aos rumores que a mídia traz, acomete em indivíduos que apenas criticam esses humildes favelados que as vezes mal sabe escrever seu nome, todos são gente como a gente vindo da riqueza ou da pobreza,não devem ser descriminados pois até mesmo aqueles se declaram ricos por ter dinheiro necessitam dos pobres para pisar e subir cada vez mais a escada do egoísmo, os favelados não tem culpa por estarem naquela situação, culpa do governo corrupto que rouba os direitos de cada um, uma vida digna. Entretanto, há poucos como Eduardo que apesar de todas dificuldades conseguiu ler e escrever e ter um emprego mesmo não sendo um dos melhores, mais são esses poucos que devem mudar a realidade do nosso país. Em relação aos fogem do seu país, tá querendo fugir da realidade e de acreditar que aquilo também e um problema seu! Por isso não adiantar ta julgando, vá a luta também.