2008-09-26

Detrantro

A responsabilidade de mudar o nome do proprietário de um veículo é de quem compra. Isto permite que vagabundos como o senhor Da Silva cometam crimes impunemente. Ainda mais vagabunda é a prefeitura que quer acionar judicialmente quem NÃO cometeu as infrações. Não é à toa que o Brasil é considerado um país de terceira categoria:

Detran apreende Corsa com mais de R$ 3 mi em multas acumuladas em SP
Colaboração para a Folha Online

Um Corsa 96, modelo 97, foi apreendido na noite de quarta-feira (24) após receber cerca de 900 multas, avaliadas em mais de R$ 3,4 milhões, nos últimos cinco anos.

Corsa apreendido pelo Detran por ter mais de R$ 3 mi em multas; valor deve ser pago em 90 dias para veículo não ir a leilão
Corsa apreendido pelo Detran por ter mais de R$ 3 mi em multas; valor deve ser pago em 90 dias para veículo não ir a leilão

A operação foi realizada por policiais militares da divisão de fiscalização do Detran (Departamento Estadual do Trânsito), que cruzaram informações dos locais e horários em que o veículo recebia mais infrações e fizeram uma blitz na rua Clementino Cunha, em Pirajussara, zona sul da cidade.

O carro, cor prata e avaliado em aproximadamente R$ 12.000, foi apreendido por volta das 20h30. O veículo estava em nome da companhia de seguros AGF Brasil. O proprietário do carro, o gerente de lanchonete Armando Clemente da Silva, 36, adquiriu o carro em 2001, mas por falta de dinheiro, não transferiu o veículo para o seu nome, afirma a polícia.

São várias multas, que vão de excesso de velocidade, desrespeito ao rodízio e a semáforo vermelho. O Detran estima que, no final da investigação, mais de mil multas sejam registradas.

Empresas que têm veículos registrados em seu nome devem indicar o condutor que levou uma multa, para que os pontos sejam transferidos para a carteira da pessoa que cometeu a infração. Quando isso não ocorre, o valor da multa vai aumentando conforme o tempo passa. No caso, a AGF não indicou os nomes e, por isso, algumas infrações chegaram ao valor de R$ 15.000.

O veículo foi levado para o pátio do Detran e será transferido para o pátio Central Estadual. Caso o valor das multas não seja pago em 90 dias, o carro será leiloado.

A prefeitura, credora dos R$ 3 milhões, afirma que irá acionar judicialmente a AGF. A empresa, por sua vez, diz não ser responsável pela dívida. Alega que solicitou ao Detran o bloqueio do registro do veículo em 2004, após receber as primeiras cobranças.

O comerciante, por telefone, disse que "não há nada" contra ele e que "não tem do que se defender". Ele questionou: "O carro está em nome de quem?", antes de desligar o telefone.



Um comentário:

Ielpo disse...

Ele questionou: "O carro está em nome de quem?", antes de desligar o telefone.

... esta canalhice do brasileiro (que muitos acéfalos julgam ser virtude!!!) é das caisa que mais me deixam puto (com o perdão da palavra, caro Zappi... não consegui achar algo equivalente na norma culta...)