2007-01-29

Estatísticas

Pesquisas, recenceamentos...

Qual a sua profissão?
Qual a sua renda familiar?
Sua mulher tem um trabalho remunerado?

Em um lugar como o Brasil, a mentira é tão normal que não é possível acreditar em qualquer pesquisa. Por mais que os pesquisadores assegurem ao interlocutor que os dados serão mantidos em sigilo, ninguém confia. Quem é que vai dizer que a sua profissão é traficante, camelô, bicheiro, seqüestrador, assaltante?

Para isso haveria uma solução. Sortear ao azar algumas pessoas e investigar a fundo a vida delas. Sim, com quebra de sigilo telefônico e bancário. Entrevistas a parentes e amigos, o diabo. Só assim poderíamos realmente saber o perfil da população brasileira.

Ah, mas isso não é possível. É ilegal. Eu sei... até que algo acontece. Um buraco se abre no chão, engole algumas pessoas. Ninguém sabe ao certo quem sumiu. A polícia entra em cena, pesquisa a vida de todos eles. Finalmente temos um perfil apropriado (veja aqui). Que bom! O Ibope não pôde informar. O censo, IBGE? Nadinha. Mas o buraco da verdade revela: 14% da população brasileira está envolvida com tráfico de drogas. Sim, um em cada sete habitantes. A precisão da amostragem? Será ainda melhor quando mais buracos se abrirem, engolindo gente a esmo. Parece ser o único jeito de saber a verdade.


3 comentários:

Julia disse...

Zappi!!!!!!!!!!!!

14°/°FAZ TRAFICO DE DROGA???????????TAI A EXPLICAçÃO DE VOTOS QUE GARANTEM A TRAFICAGEM!

QUEM DEVE SE INVESTIGADO SÃO OS POLITICOS!!!!!!!!

Bira disse...

Eu fiz o censo em 1991. Entrei numa casa normal mas que dentro rolava muito dinheiro do jogo do bicho. Anotei o que mandaram e sai fora. Nesse momento foi interceptado pelo recolhedor armado e salvo pelo dono da casa.
Não preciso nem mencionar que muitos negros e pardos exigiram aparecer como brancos, apesar de explicar que não ganhariam nada com aquilo.
Mas é um mistério a riqueza de alguns.
Milhares de laranjas oferecem o nome, mas dentistas, medicos e engenheiros são perseguidos pela receita.
Basta cruzar o cadastro de imoveis da receita como cartorio e achar a ponta do iceberg do crime organizado.

Bira disse...

O mesmo deve ser feito com automoveis de luxo.
Vendeu, vendedor informa receita.
Receita procura renda para aquisição ou compara no ano seguinte com declaração, não apareceu, recolhe.