2007-02-06

Não vale tirar sarro!

Depois não querem que caçoem dos brasileiros... Primeiro, o youtube é proibido. Agora, um juiz federal proibiu os Boeings no Aeroporto de Congonhas (veja aqui). Será que o aeroporto é um lixo ou será que os Boeings não funcionam?

Só consigo pensar em três explicações para isto. Vamos à primeira, a explicação ingênua:

1. Os juízes brasileiros são loucos e deveriam estar internados em hospícios apropriados, mas andam soltos, julgando.


A segunda explicação é um pouco mais triste, especialmente porque parece ser mais coerente:

2. Há um controle petista do judiciário que decidiu criar dificuldades para empresas americanas, com o objetivo de gerar recursos não contabilizados e, de quebra, animar os ativistas anti-americanos.

Faz sentido. Não poderiam escolher empresas mais ricas e poderosas: Google (youtube) e Boeing. Digamos entretanto que Congonhas seja um lixo. Aí vem a terceira explicação:

3. A Infraero caiu em mãos petistas e a taxa de embarque, que é a mais alta do mundo, serve para gerar caixa dois para o PT. Nesse caso é natural que a manutenção das pistas seja deixada em segundo plano. O PT tem prioridade absoluta na roubalheira.

Não vale tirar sarro. O roubo de tudo o que deveria ser público já está institucionalizado no Brasil. Já vejo as manchetes na CNN: "Brasil decide que Boeing não presta." Até Santos Dumont deve estar se remexendo no túmulo.



13 comentários:

Claudia disse...

Cruzes!
Não precisa exagerar.... Que tal a pista é curta prá cacete?? Zero de manutenção... Aquaplanagem...
Antes que um acidente de maiores proporções aconteça, que tal alguma providência?

Zappi disse...

Pois é, Claudia. Você quer dizer que é a favor da explicação n. 3, não é mesmo?

A pista não encurtou de repente, disso tenho certeza. Quando saí daí funcionava...

C. Mouro disse...

Juiz em verdade é arbitro.
Eles arbitram segundo a interpretação arbitrária da lei, onde tudo pode ser o seu oposto segundo a características particulares dos envolvidos. A justissa* (o aparato judiciário) venda os olhos tem os olhos vendados para não ver exatamente a justiça (o que é justo).

Desta forma, o costume da parcialidade das "interpretações das leis" (até à fabricação de leis por juizes que negligenciam leis aprovadas tanto quando interpretam-nas até deforma-las) e mesmo na negligência, acaba criando mini déspotas idiotizados pela ideologia: "déspotas obscurecidos". Que por fim tomam atidudes idiotas ou erram o alvo de seu exibicionismo vaidoso.
Os juizes, em sua maioria, são apenas militantes ideológicos ou "juizes organicos" plantados em cargos de Poder para "julgar" em benefício dos interesses políticos do Estado totalitário que os sustenta, mesmo se ineptos.

A tal justissa brasileira (recuso-me a escrever Justiça)e mero gremio politiqueiro com raras e honrosas exceções. Mais parece um aparato sindical do que aparato judiciario.

Abraços
C. Mouro

C. Mouro disse...

Putz! a pressa é inimiga até do +/-.

Corrijo:

A justissa* (o aparato judiciário) venda os olhos para não ver exatamente a justiça, o que é justo.

É costume a parcialidade da "interpretação das leis" (até à fabricação de leis por juizes que tanto negligenciam leis quanto interpretam-nas até deforma-las). E isso acaba criando mini déspotas idiotizados pela ideologia: "déspotas obscurecidos". Que por fim tomam atidudes idiotas ou erram o alvo de seu exibicionismo vaidoso.

É o pleno "Estado de Poder" (oposto ao Estado de Direito) ou Estado de arbítrio oficializado.

Abraços
C. Mouro

Saramar disse...

Zappi, bom dia.
É inacreditável a arrogância e a irresponsabilidade das autoridades brasileiras.
Concordo com o C. Mouro, quando fala em "Estado do Poder". Estamos vivendo no próprio.
E creio que as três jstificativas que você apresentou, misturadas, moldadas se aplicam ao caso.
Loucura porque o juiz torna-se estrela sim, pelo esdrúxulo; busca sim, agradar aos "líderes, causando problemas ao "capital internacional" e quem sabe preocupado, com as condições das pistas, sem manutenção de verdade que acabe com o problema, porque os recursos da Infraero têm outra destinação: o tesouro dos sedentos de poder.
Triste país, muito triste.

Bira disse...

zappi amigão, ocê tá bebendo uns caldo de cana batizada com metanol...
Veja no meu blog A IGREJA PT!

Julia disse...

C.Mouro,

Espero que você não tenha me levado a mal, sobre o assunto do trabalho sobre seu livro!O motivo pelo qual lhe disse que enviaria meu endereço por carte,é porque, sera o endereço de um cabinete de advogados, pra que seja limpido as trocas de assuntos referentes a seu projeto de livro, que se compreendi certo, você ainda não publicou e quem diz não publicado e mandado por internete,pode dar azas a ser plageado! você entende?A internete pode ser valido em casos de livros ja publicados. Aqui, tudo o que se refere a propriedade intelectual, deve ser preservada e eu devo deixar claro, que estaria recebendo um exemplar, do que é sua obra literaria!Desculpe, mas sou deformada em agir desta maneira, é no sentido, que não nos conhecemos de longas datas e a simpatia deve ser preservada, seguindo atos dentro da lei, no sentido de nos dar segurança, pelo fato da distancia!Aqui é muito pequeno e a honra no meio, é algo muito cogitado, alem de que, assuntos serios como um livro, não se pode permitir leviandades!Espero que você me compreenda porque lhe sugeri de você me enviar seu endereço e posteriormente trocar assuntos ao torno de uma mesa em bar parisiense!Lhe fiz esta retificação no sentido que os modos de agir aqui, difere dos modos dai do bananal! Abrs

Aluizio Amorim disse...

Salve, Zappi:

sua colocações são absolutamente procedentes. O Brasil é e continuará sendo um país de botocudos. Não é à toa que por aqui se paralise tudo por um semana para o que denominam de "foguedos de momo".

C. Mouiro disse...

Julia,
não se preocupe com isso, não.
Nem leve tão a sério minha pretensão. Eu escrevo para "desopilar o fígado", como me disse um amigo. Mas ainda em fevereiro vou reler e fazer alguns reparos na minha "viagem escrivinhante".
Quanto ao resto, não me importa. Eu quero mesmo é jogar umas idéias para fazer voz.
Vou enviar-lhe sim, tão logo eu faça a desanimadora revisão e aprimoramento(se é que assim posso dizer) do que escrevi.

Não tenho postado comentários em alguns sites porque meu navegagor não permite, mas não deixo de ler, sobretudo o Tambosi e o Rodrigo, e cá o Zappi.

Abraços
C. Mouro

Zilda disse...

Zappi,
Não foi só a Boeing prejudicada com esta estapafúrdia decisão, os modelos Fokker 100 também estão proibidos de usar a pista, mas alguns modelos (737-300) continuam operando.
Não dá para entender o critério de avaliação.

francafranqueza disse...

Zappi,

O assunto da proibição não seria pra seguir as regras recentes sobre segurança aerea?

De fato, esta regra de interdição foi criada devido aos multiplos acidentes aereos, onde, na maioria dos casos, são causados por manutenção precaria dos aviões...

Dai, houve reação em outros paises, pra ser criado um selo ISO, permitindo fiabilidade na segurança global, aos passageiros e aos aeroportos.

Por consequente, as autorizações de aterrizar em aeroportos de grande porte,doravante, serão baseados somente na regra do selo ISO.

Sem selo, não teram autorização qualquer, de aterrizar as companhias que não fizeram controle tecnico obrigatorio etc...

Edmundo Alves disse...

A pista do Aeroporto Santos Dumont não é muito maioe do que a de Congonhas. Alem do mais o acidente que se tem na lambrança até hj ainda é do focker 100 da TAM. Estranho como nada foi feito pra ajudar a VARIG e deixar tudo pra TAM. Estranho como depois do caos nos aeroportos a TAM não foi multada. Estranho como a TAM não tem Boeings na frota, e seus Airbus podem operar livremente

Zappi disse...

Estranho como os dados para decidir quais aviões pousariam vieram da ANAC. Em que condições de pista foram tirados? Molhada. Quão molhada? Ninguém sabe. A pista do Santos Dumont é bem MENOR que a de Congonhas.

Nada é estranho: quando o PT está metido, pode supor o pior.