2007-11-05

As cotas do Lula

Enquanto os brasileiros aplaudem a política de "cotas" para "negros", qualquer pessoa que pensa chega à conclusão abaixo:

MURRAY - Primeiro, deixe-me dizer que não conheço nem estive no Brasil. Mas a reputação do país é a de que as relações entre pessoas de diferentes etnias sempre foi boa. Vocês se apresentam como um país que não é obcecado com a questão negros versus brancos, como são os EUA. Se isso é verdade, a ação afirmativa é a melhor maneira possível para destruir essa vantagem.

Se vocês querem garantir que os brasileiros comecem a se odiar, odiar talvez seja uma palavra muito forte, mas estranhar um ao outro como nunca antes aconteceu, criar divisões, então a melhor receita é implantar a ação afirmativa. Funciona maravilhosamente para criar ressentimento. Se você tenta ajudar os negros, os brancos vão dizer: "Espere, se eu tenho a mesma habilidade e um processo seletivo justo, porque alguém deve ter vantagem em relação a mim por conta da cor de sua pele?."

Ao mesmo tempo, prejudica as pessoas que estão supostamente sendo ajudadas, no caso os negros. Toda vez que eles vão trabalhar, por exemplo, todas as pessoas brancas daquele escritório presumirão que eles conseguiram o emprego porque são negros. A presunção é: provavelmente essa pessoa não é tão capaz quanto nós porque conseguiu esse emprego por ação afirmativa. É uma idéia terrível! Sei pouco sobre o Brasil, mas sei muito sobre os EUA e a ação afirmativa em outros países. Eu imploro aos brasileiros: não façam isso.

Veja a entrevista completa aqui. A tradução da Folha é medonha, mas dá para ler algumas frases.

A política de cotas do PT e do Lula está desenhada para destruir a cordialidade brasileira. Esse é o objetivo: destruir. Como também é o objetivo do Mensalão, do Valerioduto, dos dossiês fantasmas, e do Maloqueiro-mór na presidência.

3 comentários:

Yuri disse...

Olá Zappi,

Mais uma vez, como sempre, concordo contigo, com o Charles Murray e com o James Watson.

O ser humano é apenas um animal como todos os outros da fauna mundial. Aplicando-se a Teoria da Evolução de Darwin a esta espécie, podemos verificar facilmente que a vantagem competitiva que os seres humanos apresentam em relação às outras espécies e aos outros indivíduos da mesma espécie é seu cérebro altamente desenvolvido. Sendo assim, é perfeitamente aceitável que existam indivíduos com diferentes níveis de desenvolvimento cerebral e que essas características sejam transmitidas geneticamente.
Independentemente de diferenças étnicas existem seres humanos mais inteligentes e mais "burros". Obviamente, grupos de seres humanos submetidos durante séculos à uma condição de subnutrição tendem a se tornar menos inteligentes (desenvolvendo, provavelmente, outras habilidades físicas para a sobrevivência).

Para mim, o grande problema está aí: a fome mundial, intimamente ligada à superpopulação, está criando uma sub-raça de seres humanos comprovadamente menos inteligente que a média da população.

Em relação ao outro assunto: A criação de cotas para minorias (as tais das ações afirmativas) são, por si só, discriminativas e racistas. O conceito de racismo, define-se pela divisão dos seres humanos em diferentes raças e este é o primeiro passo para o racismo. A nossa raça é humana, e só!
Charles Murray foi muito feliz em sua colocação, apontando estas "ações afirmativas" como geradoras de mais desconforto entre os grupos étnicos diferentes. Além desse tipo de ação ter conotação racista, temos no Brasil outro problema. Devido à nossa grande miscigenação é muito difícil (se não, impossível) definir quem é negro e quem não é. Recentemente, houve um caso na UnB de dois irmão gêmeos univitelinos (pardos?) que tiveram tratamento diferenciado pela comissão de cotas: um foi aceito como "afro-descendente" e o outro não. Absurdos brasileiros!!!

Em tempo, coloquei o termo "afro-descendente" entre aspas pois entendo que este termo é um dos maiores equívocos da humanidade. Afinal, todos os indícios científicos apontam para o continente africano como sendo o berço da humanidade, ou seja, somos TODOS afro-descendentes!

Yuri disse...

Complementando:

Eu tenho, em minha árvore genealógica, ascendentes negros, índios e europeus. Estes últimos, por sua vez, com ascendência moura. Ou seja, apesar de minha pele branca, como eu me definiria em termos de "raça"?

Para mim este é ponto que destrói qualquer argumento racista: ou você é branco, ou você é negro, ou amarelo, ou etc.? Isso não existe!!!!
Mesmo os "loiros branquelos" dos países nórdicos possuem alguma ascendência "negróide" dos primeiros seres humanos a habitarem o planeta.

Veja aqui: https://www3.nationalgeographic.com/genographic/

Zappi disse...

É Yuri, chegamos ao ponto de ter que dizer que burrice não é burrice. Se dissermos que burrice é hereditária então o pecado é ainda mais grave.

Foi a negação da burrice que levou o Brasil a eleger um semi-analfabeto para presidente. O conceito hoje é "burro é bom, porque burro é popular". Então tá. Deu no que deu.