2007-11-13

Triste idéia

Como disse Einstein...
"Há duas coisas infinitas, o universo e a estupidez humana. Entretanto não tenho certeza a respeito da primeira."
A firma da Malásia "Proton" lançou o carro islâmico. Tem uma bússola que aponta para Meca para facilitar a reza, e tem um compartimento especial para guardar o Corão. Como vocês sabem, os islâmicos "precisam" periodicamente rezar voltados para Meca. Triste, não?

8 comentários:

Anônimo disse...

Zappi, meu amigo, adorei esta idéia ! Você teria detalhes sobre as especificações técnicas ? Imagino que o carro só é disponível na cor preta, com rádio que sintoniza apenas estações patrocinadas por Alá e as janelas são coberta por véus negros.... Como acessório, para os mais radicais, vem compartimento extra adaptável para homem-bomba, garoto-bomba, mulher-mocréia ! Humm.... poderíamos pensar em um modelo especial para cristãos também.... com linhas diferenciadas para evengélicos, mórmons, católicos.... sucesso ! abraços...

Anônimo disse...

"Como vocês sabem, os islâmicos precisam periodicamente rezar voltados para Meca. Triste, não?"

Não, não é triste não. Pelo contrário. Pode ser triste para você. Para mim e outras milhões de pessoas no mundo inteiro, rezar para Meca, primeiro templo monoteísta erguido na face da terra, é uma alegria e felicidade grande, pois expressa no nosso amor e respeito a Deus. Se você não gosta ou não acredita em Deus, é problema seu. Mas, isto não lhe dá o direito de desrespeitar aqueles que acreditam e debochar da fé dos outros. Seus comentários mostram preconceito, radicalismo e fanatismo igual daqueles que você procura criticar.

Quanto a outra notícia de que a firma da Malásia "Proton" lançou o carro islâmico. Acho uma boa idéia da empresa, pois além de alcançar um nicho grande de consumidores, vai satisfazer o desejo de muitos que gostariam de ter um carro assim, como eu, por exemplo.

Agora se você não gosta, e é teu direito, tudo bem, mas respeita quem gosta e quer ter um produto assim. Quanto ao comentário preconceituoso da pessoa que colocou o post, classificar por meio de comentários imbecis de que todos os muçulmanos são homens-bomba, mostra não só preconceito como ódio cego e extremismo.

Conselho meu Zappi (acho que este é seu nome). Respeite as pessoas e não permita que seu blog seja uma fonte de preconceito, ódio, fanatismo e extremismo. Procure buscar o diálogo, pois é por meio dele que a gente alcança a compreensão e a paz.

Aliás, não entendi porque tanto ódio contra esta notícia do carro "islâmico". Termo que aliás foi dado pela imprensa, e não pela empresa fabricante. Abs. Vamos manter o diálogo.

Zappi disse...

Caro Anônimo Islâmico, recomendo que leia este post aqui

Depois, você poderia por favor me explicar o comportamento dessa gente.

Eu tenho outros exemplos, como o da mulher que foi estuprada por uma gangue e depois foi condenada a duzentas chibatadas, por estar em um carro com um homem que não era de sua família.

Meu caro islâmico, não sou eu que mostra preconceito, ódio, fanatismo e extremismo. Ou você condena as manifestações que citei, as quais vêm de países cuja lei é islâmica, ou vou achar que você também é um fanático cheio de ódio.

Anônimo disse...

Zappi, apesar do teu radicalismo, te explico sem o menor problema e com toda a paciência do mundo. O teu principal problema, que é o problema de todo radical extremista,seja ele quem for, seja por motivos religiosos, raciais, ideologicos, politicos, é a generalização. Tanto este caso da Itália como o da Arábia Saudita são atos condenados por nós muçulmanos e pela fé islâmica.No caso da Itália, o pai errou ao fazer o que fez com a filha. Não conheço o caso na integra, a não ser o que tu colocaste no teu blog. Se isto for verdade, na matéria, deu a entender que ele agiu por conta de uma interpretação própria baseada em costumes tribais. No Islã, mesmo, não há respaldo para o que ele fez, pois a filha dele é de maior e ela responde pelos seus atos.


Na Arábia Saudita, há exagero na sentença, assim como há exagero e injustiças nas decisões tomadas em outras sociedades, inclusive, nas ocidentais que não são poucos os casos exdruxulos como este da Arábia Saudita. E olha que não sou fã do regime saudita. Nos Estados Unidos pessoas estão sendo torturadas, assassinadas sem que a Justiça de lá tome providências.
Particularmente, acho que este caso da Arábia Saudita veio à tona por motivos políticos relacionados ao atual momento dificil pelo qual passa o Oriente Médio. Mas isto é uma outra história. Até os Estados Unidos, que são os maiores violadores dos direitos humanos no mundo, e não tem moral para criticar mais ninguém, estão interferindo neste assunto que deve ser resolvido pelos próprios sauditas. Aliás, você viu alguém interferir no Brasil quando veio à tona o caso daquela menina de 14 anos que ficou presa em cela do Pará onde foi estuprada sistematicamente pelos bandidos? É um caso absurdo, mas o Brasil que tem que tratar disso. Além do mais você, acha justa pegar este caso e dizer que todos cristãos do Brasil ou demais brasileiros são responsáveis por isso?



Portanto, como você vê condeno os dois casos.

O problema é que tu generaliza. Você pega estes casos isolados e atribui a todos como se isto fosse da fé e da religião.
Dei uma vasculhada em teu site e vi que você colocou um monte de noticias desfavoráveis aos muçulmanos, como se no Islã não houvesse coisas boas.


Até a fabricação de um carro para conquistar consumidores muçulmanos você achou ruim e deu tom depreciativo. É aqui que está o problema.

Atpe aquela Hirsi que está sendo paga para difamar o Islã você a vê como uma heroína. Aliás, ela foi expulsa da Holanda por ter adulterado documentos. Quem te garante que aquelas histórias que ela conta do pai. motivo pelo qual ela teria ódio do Islã, seja verdadeira. Mesmo que fosse, se o pai dela era ruim, que culpa tem o Islã, se o Islã ensina que o pai tem que tratar com amor e carinho os filhos, como muitos pais muçulmanos fazem. Apesar de ter passado mais de 20 anos da morte do meu pai, até hoje choro a morte dele de teu bom que ele era.

Não estou dizendo para você não se indignar quando vê coisas absurdas. Mas achar que a religião só traz coisas ruins não é certo também. Para minha vida, pelo menos, o Islã trouxe muitas felicidades, começando pelos pais maravilhosos que tive, ambos muçulmanos. Achar que todo pai muçulmano é como este paquistanês da Itália é sacanagem.


Há muitos casos que são cometidos por indíviduos muçulmanos, que nós muçulmanos não aceitamos e não gostamos. Portanto, não generaliza e não atribuia a religião o erro individuais de pessoas que tentam se esconder atrás da religião.



Seja justo é isto que peço, pois a justiça é o caminho da felicidade.

Quer denunciar, faça isto sem generalização. Veja o lado bom das coisas também. Oro por você. Abs. Vamos manter o diálogo.

Zappi disse...

Olá, Anônimo Islâmico.

Zappi, apesar do teu radicalismo, te explico sem o menor problema e com toda a paciência do mundo.

Eu também sou paciente. Vamos lá.

Tanto este caso da Itália como o da Arábia Saudita são atos condenados por nós muçulmanos e pela fé islâmica. No caso da Itália, o pai errou ao fazer o que fez com a filha. Não conheço o caso na integra, a não ser o que tu colocaste no teu blog. Se isto for verdade, na matéria, deu a entender que ele agiu por conta de uma interpretação própria baseada em costumes tribais. No Islã, mesmo, não há respaldo para o que ele fez, pois a filha dele é de maior e ela responde pelos seus atos.


Por que? Se ela fosse "de menor" aí sim o pai poderia matá-la?

Na Arábia Saudita, há exagero na sentença, assim como há exagero e injustiças nas decisões tomadas em outras sociedades, inclusive, nas ocidentais que não são poucos os casos exdruxulos como este da Arábia Saudita.

Você acha esdrúxulo? Só foi aplicada a lei sharia, ou seja, baseada no Corão. Se você acha que houve abuso, você é que não aceita a lei sharia. Se for assim, só posso parabenizá-lo. Muitos outros muçulmanos não só aceitam como querem impor lei sharia nas sociedades em que vivem, e das quais derivam o seu sustento. Milhões de muçulmanos na Europa querem mudar as leis para permitir puniçõeso como essa, da Arábia Saudita. Não adianta citar outros casos errados. Dois erros não fazem um acerto, se é que você entende o que eu quero dizer.

O problema é que tu generaliza. Você pega estes casos isolados e atribui a todos como se isto fosse da fé e da religião.
Dei uma vasculhada em teu site e vi que você colocou um monte de noticias desfavoráveis aos muçulmanos, como se no Islã não houvesse coisas boas.


Ok, aceito o desafio. Cite uma coisa boa do Islã. Só uma. Prometo que publico no meu site. Ah, tem que ser algo bom que só o Islã pode proporcionar e que o mundo ocidental não pode.

Até a fabricação de um carro para conquistar consumidores muçulmanos você achou ruim e deu tom depreciativo. É aqui que está o problema.

Eu achei triste. É triste ver pessoas tão obcecadas com a sua religião que não percebem que parar tudo o que se faz para rezar voltado para Meca é um ato lastimavelmente inútil e vazio. Para não dizer que também endossa barbaridades como as que citei acima.

Atpe aquela Hirsi que está sendo paga para difamar o Islã você a vê como uma heroína. Aliás, ela foi expulsa da Holanda por ter adulterado documentos. Quem te garante que aquelas histórias que ela conta do pai. motivo pelo qual ela teria ódio do Islã, seja verdadeira. Mesmo que fosse, se o pai dela era ruim, que culpa tem o Islã, se o Islã ensina que o pai tem que tratar com amor e carinho os filhos, como muitos pais muçulmanos fazem.

Meu caro Anônimo Islâmico, o que me diz da punhalada nas costas (literalmente) com que Theo Van Gogh foi assassinado e a carta de um islâmico fanático junto com a faca, ameaçando Ayaan de morte? Você acha que é ela que denigre o Islam? Não será que é o assassino que assim o faz? Não sou só eu que vejo a Ayaan como uma heroína. Muitíssimos infiéis como eu também achamos assim. Ela denunciou as práticas monstruosas contra as mulheres endossadas ou acobertadas pelo Islam. Você é a favor ou contra a circuncisão feminina? Sabe o que é?

Não estou dizendo para você não se indignar quando vê coisas absurdas. Mas achar que a religião só traz coisas ruins não é certo também. Para minha vida, pelo menos, o Islã trouxe muitas felicidades, começando pelos pais maravilhosos que tive, ambos muçulmanos. Achar que todo pai muçulmano é como este paquistanês da Itália é sacanagem.

Não duvido que seus pais foram pessoas boas. Entretanto garanto que eles eram pessoas boas independentemente da sua religião. Não todos os Islâmicos são ruins, só que os bons acabam endossando práticas medonhas, nunca denunciando. Nunca vi um islâmico falar mal de práticas de subjugação feminina em outro país Islâmico. Não faz muito tempo um Imam aqui na Austrália endossou o estupro de infiéis com a seguinte frase:
"Se a carne está exposta, de quem é a culpa? De quem deixou a carne exposta ou das gatos que a comeram?" 'Carne exposta' é a expressão que ele usou como metáfora para 'mulher sem hijab'. Veja aqui Você concorda com ele?

Há muitos casos que são cometidos por indíviduos muçulmanos, que nós muçulmanos não aceitamos e não gostamos.

Queria ver você expressar a sua fúria contra esses indivíduos, em vez de criticar somente a pobre Ayaan, que já sofreu bastante com a tara fanática islâmica.

Portanto, não generaliza e não atribuia a religião o erro individuais de pessoas que tentam se esconder atrás da religião.

Seja justo é isto que peço, pois a justiça é o caminho da felicidade.

Quer denunciar, faça isto sem generalização. Veja o lado bom das coisas também. Oro por você. Abs. Vamos manter o diálogo.


Bom, eu pedi para você uma coisa boa do Islã, uma única, que não poderia ser feita por um 'infiel'. Em vez de orar por mim, peça a Alah para ele lhe informar sobre o que é bom no Islam. Espero resposta!

Anônimo disse...

Por que? Se ela fosse "de menor" aí sim o pai poderia matá-la?


Além de radical e extremista, parece que você tem problema de interpretação. Mas vamos lá.

Você interpretou mal o que disse. O que quis dizer que por ser de maior, ela é responsavel por seus atos e não o pai dela. O pai dela não poderia ter a matado em nenhuma hipotese. Como já disse antes, o Islã não respalda o que ele fez.


Você acha esdrúxulo? Só foi aplicada a lei sharia, ou seja, baseada no Corão. Se você acha que houve abuso, você é que não aceita a lei sharia. Se for assim, só posso parabenizá-lo. Muitos outros muçulmanos não só aceitam como querem impor lei sharia nas sociedades em que vivem, e das quais derivam o seu sustento. Milhões de muçulmanos na Europa querem mudar as leis para permitir puniçõeso como essa, da Arábia Saudita. Não adianta citar outros casos errados. Dois erros não fazem um acerto, se é que você entende o que eu quero dizer.


Não. A Arábia Saudita não praticou a Sharia nesse caso. Eles praticaram a lei tribal deles que não tem nada haver com a Sharia. Aliás, há várias atitudes que eles tomam que não tem haver com a Sharia que eles dizem ser da Sharia. Segundo não sou contra a Sharia, pois a conheço e sei que ela não se baseia naquilo que os sauditas fazem. A Sharia protege os muçulmanos de vários males que atingem sociedades que não a praticam como por exemplo, os altos indices de adulterio e grande quantidade de crianças que não sabem nem que eram os seus pais, pois nasceram frutos de fornicações. Terceiro, se na Europa há muitas pessoas que querem a Sharia é direito delas pediram aquilo que elas acham melhor para vida delas. Se elas estão pedindo, isto é democracia. Se você está incomodado com este pedido, então, você não aceita a liberdade individual das pessoas de pedirem aquilo que acham melhor para suas vidas. É engraçado que você se apresenta como alguém que luta pelos direitos dos outros, mas pelos seus comentários você não tolera a opinião dos outros. Isto é péssimo.





Ok, aceito o desafio. Cite uma coisa boa do Islã. Só uma. Prometo que publico no meu site. Ah, tem que ser algo bom que só o Islã pode proporcionar e que o mundo ocidental não pode.

Zappi, o mundo islâmico não vê o mundo ocidental como inimigo para ficar na disputa de quem é melhor que quem, mesmo porque muitos muçulmanos ajudaram a construir o mundo ocidental. Para os muçulmanos, não há Oriente e nem Ocidente, somos todos membros de uma família que vivemos em uma mesma casa o planeta Terra.

Olhe sobre o período de domínio muçulmano na Espanha, considerado por muitos escritores ocidentais como um dos períodos de ouro da história ocidental e da humanidade . Até para os judeus, aquele período é considerado um dos melhores da vida deles. Foi um período de tolerância, avanço cientifico, econômico, social etc.

Você nunca ouviu falar de Avicena, Averrois, Ibn Farabi e Bint Al-Huda e outros cientistas e filosofos muçulmanos (as) que com seus estudos ajudaram no desenvolvimento do mundo ocidental e da humanidade.

Os muçulmanos contribuíram muito para o avanço de várias ciências como a Medicina, Algebra, a Matemática,a Fisica, a Quimica etc.


No Brasil, os muçulmanos, em especial, os negros muçulmanos, ajudaram a por um fim na escrivadão com várias rebeliões que serviram de incentivos para o fim da escravidão. O Islã liberta.

Eu achei triste. É triste ver pessoas tão obcecadas com a sua religião que não percebem que parar tudo o que se faz para rezar voltado para Meca é um ato lastimavelmente inútil e vazio. Para não dizer que também endossa barbaridades como as que citei acima.


Como ja disse anteriormente pode ser triste para você, pode ser inutil e vazio para você. Para nós é um momento sublime que engradece a alma. Para para rezar é melhor que parar para, por exemplo, criar sites e blogs racistas, nazistas e extremistas. Portanto, não temos o menor problema de parar tudo, para rezar, mesmo porque vai me dizer que você nunca parou tudo para fazer coisas piores (se masturbar ou agredir oiu insultar outras pessoas por exemplo), inuteis e vazias?

Rezar é uma forma de se relacionar com Deus e agradecê-lo por ter nos criado. Dizer que rezar endossa barbaridades não merece nem comentários e só mostra que você é desonesto em tuas observações.

Meu caro Anônimo Islâmico, o que me diz da punhalada nas costas (literalmente) com que Theo Van Gogh foi assassinado e a carta de um islâmico fanático junto com a faca, ameaçando Ayaan de morte? Você acha que é ela que denigre o Islam? Não será que é o assassino que assim o faz? Não sou só eu que vejo a Ayaan como uma heroína. Muitíssimos infiéis como eu também achamos assim. Ela denunciou as práticas monstruosas contra as mulheres endossadas ou acobertadas pelo Islam. Você é a favor ou contra a circuncisão feminina? Sabe o que é?

O Islã não acoberta práticas monstruosas contra as mulheres. A mulher obteve direitos que as mulheres ocidentais, por exemplo, só obteram recentemente. Enquanto, o Islã , há seculos, deu o direito da mulher de pedir o divorcio, ter herança e trabalhar, em vários paises do ocidente, a mulher era considerada com a responsavel pela desgraça humana e muitos diziam que nem alma ela tinha. Se você fosse uma pessoa justa, você iria vê que em todas as sociedades islâmicas, a mulher trabalha, estuda, participa da política, pratica esportes etc.
Neste exato momento que escrevo este post, assisto uma novela árabe com várias mulheres atuando como atrizes. Tem outras que são diretoras, cantoras, poetisas etc.

Tem casos lamentaveis contra mulher em sociedades islâmicas? Tem da mesma forma que tem em todas as sociedades não islâmicas,mesmo porque o Islã não tem como controlar tudo mundo e nem todo mundo em uma sociedade islâmica, pratica o Islã.

O Islã protege a mulher , em todos os sentidos, e prega aos seguidores que tratem as mulheres da melhor forma possível. Disse o profetsa Muhammada: O Paraíso reside debaixo dos pés das mães. Ou seja, quem for benevolente com os pais e mães, será recompensado. Agora se em algumas sociedades que aplicam suas leis sem levar em conta os ensinamentos islâmicos prejudicam a mulher, a culpa é da interpretação errada destas sociedade e não do Islã que é uma força que protege a mulher. Quanto a Hirsi não vejo ela como um heróina, mas sim como uma impostora falsificadora de documentos que tenta atribuir ao Islã suas infelicidades e a maneira errada que o pai dela tratava ela.



Não duvido que seus pais foram pessoas boas. Entretanto garanto que eles eram pessoas boas independentemente da sua religião. Não todos os Islâmicos são ruins, só que os bons acabam endossando práticas medonhas, nunca denunciando.


Que bom saber que você reconhece que nem todos os islâmicos são ruins. Porém, você só quer ver as coisas ruins. É preciso ver as coisas boas, não só dos muçulmanos, mas de todos os teus semelhantes. Ame o próximo como a ti mesmo. Lembras?

Nunca vi um islâmico falar mal de práticas de subjugação feminina em outro país Islâmico. Não faz muito tempo um Imam aqui na Austrália endossou o estupro de infiéis com a seguinte frase:
"Se a carne está exposta, de quem é a culpa? De quem deixou a carne exposta ou das gatos que a comeram?" 'Carne exposta' é a expressão que ele usou como metáfora para 'mulher sem hijab'. Veja aqui Você concorda com ele?

A declaração desta "imame" é a opinião dele que não necessariamente representa a opinião de todos. O Islã é totalmente contra o estupro. Ele errou ao falar, se é que falou desta maneira ou teve suas palavras distorcidas. Mas, se foi isto mesmo, o Islã não aceita de jeito nenhum o estupro. Além do mais, reconheço que nem todos os lideres religiosos são confiaveis, da mesma forma que não o são os lideres politicos, sociais, policiais, militares, ideologicos etc.



Queria ver você expressar a sua fúria contra esses indivíduos, em vez de criticar somente a pobre Ayaan, que já sofreu bastante com a tara fanática islâmica.

Como você não me conhece é claro que você não me viu criticá-los pois critico todos os erros, venham de onde vier, inclusive dos radicais e extremistas, incluindo nestes grupos o assassino de Van Gogh, o próprio Van Gogh que era extremista também e a Hirsi, que além de uma farsante é uma bandida também por falsificar documentos.
Conselho meu irmão,escolha gente melhorar para admirar. Tem gente mais digna do que ela.



Bom, eu pedi para você uma coisa boa do Islã, uma única, que não poderia ser feita por um 'infiel'.

Sobre as boas coisas do Islã, já citei acima. A pessoa que não crê e é "infiel", termo usado por você, também pode praticar coisas boas. Em nenhum momento, o Islã diz que nós muçulmanos não podemos conviver com pessoas que não tenham fé. Mas há o contrário também. Pessoas descrentes que não aceitam e discriminam uma pessoa de fé.



Em vez de orar por mim, peça a Alah para ele lhe informar sobre o que é bom no Islam. Espero resposta!

Só tenho agradecer a Deus por ter me guiado no caminho do Islã, que trouxe felicidade em minha. Tudo é bom no Islã, desde a reza até os ensinamentos de amor ao próximo. É uma pena que você só queira ver coisas ruins. Os próprios ataques desferidos contra os muçulmanos mostra que nossa fé é maravilhosa e somos perseguidos por escolhermos o nosso caminho sem precisar se subjulgar aos desejos de pessoas que se acham superiores as outras.

No Alcorão, Deus nos alertou sobre este tipo de gente que vai fazer de tudo para os muçulmanos abandonarem sua fé. Já estamos vacinados contra elas, graças a Deus. Amén! Continuo orando por você para que Deus te ilumine e que não permita que os racistas da Australia façam a tua cabeça. Permaneça brasileiro, cuja cultura é de paz e de amor. Até mais.

Zappi disse...

Você falou, falou e não disse nada. Todos os países islâmicos são atrasados. Em nenhum deles se respeita a mulher como pessoa. Trata-se a mulher sempre como objeto possuído pelo marido. O Corão não se cansa de falar mal dos 'infiéis' como se fossem todos iguais. É um poço de preconceito e arrogância.

Não foste capaz sequer de dizer algo bom do Islã ou algo positivo da lei Sharia, que quando aplicada você desmente ("ah mas isso não é Sharia não..."). O que aconteceu há mil anos não conta, irmão. Quero ver algo palpável, aqui e agora. Vamos cobrir as mulheres dos pés à cabeça?

Aguardo resposta.

Gerson B disse...

A. Islâmico, 1º templo monoteista do mundo em Meca? Os judeus já não tinham um templo antes? E os cristãos tambem não?

Zappi, há uma coisa que me interessa no mundo muçulmeno que difere do que há no ocidente. Li que os bancos muçulmanos tem um sistema de empréstimo diferente, sem cobrar juros como os ocidentais, devido à proibição da usura. Gostaria de saber mais sobre isso. Como é que funciona.