2007-12-23

Honestidade intelectual

Mithras e o TouroNa época do Natal parece que os malucos se soltam. Todo tipo de religioso fervoroso, desde os crédulos descontrolados até os auto-imoladores se manifestam nesta data. Não sabem que o Natal não é nada mais do que o seqüestro pela igreja católica de rituais pagãos que ocorriam na época do solstício de inverno. Vários deuses tinham a data de 25 de dezembro como seu "aniversário", incluindo Ishtar, deusa da fertilidade babilônica, Sol Invictus, o deus sol romano e Mithras, outro deus romano. Os católicos simplesmente seqüestraram a data, atribuíndo-a ao nascimento de Jesus. Isso sim é que é honestidade intelectual...

Mas eu não me importaria muito com isso. Afinal, entre os trambiques das igrejas este poderia ser considerado até benigno.

Ontem fiquei boquiaberto com um chamado à "honestidade intelectual" por parte do único defensor do catolicismo não-petralha, o Reinaldo Azevedo. Digo que é o único, pois até o papa veio pedir benção para nossa santidade, São Lula Silva. É interessante o que Reinaldo Azevedo diz. Vejam aqui, em vermelho:

Mas atribuir à Igreja Católica a responsabilidade, marginal que fosse, pela expansão da aids, aí é desonestidade intelectual mesmo, da brava. A instituição fala a seus fiéis. Cumprida as suas prescrições, ter-se-ia um poderoso instrumento contra o alastramento da doença. Há, ademais, a questão fundamental: segundo a Igreja, não se deve pecar contra a castidade e a fidelidade no casamento. Isso fecha a equação. Ademais, a orientação aos fiéis no que concerne ao sexo não tem como objetivo principal conter o avanço da aids.

A última frase está corretíssima: o que a igreja católica prega aos seus fiéis não tem como objetivo principal conter o avanço da aids. A camisinha é proibida. As doenças venéreas devem se espalhar entre os "pecadores" que tiverem qualquer tipo de relação extraconjugal. Se usassem camisinha, poderiam fazer sexo com prostitutas sem espalhar doenças. Isso, claro, é inadmissível, porque impediria o "castigo divino" que viria através dessas doenças. É como se a camisinha neutralizasse as armas de um deus vingativo.

O que Reinaldo diz é ainda mais divertido. Segundo ele, a igreja católica quer que todos sejam castos até casarem. A partir desse momento devem manter a fidelidade até a morte. Aposto um dedo mindinho que pelo menos 90% dos católicos não seguem esses tão nobres preceitos. Os que seguem são impotentes ou tem algum outro defeito genético ou psicológico que lhes impede o sexo. Nesse caso a visão de Reinaldo é simplesmente uma utopia, que eu chamaria até de distópica, já que é uma visão de enfermos. Nem os padres da igreja católica seguem essas orientações, eles parecem ter uma predileção um tanto doentia por meninos jovens. Não soube de nenhum deles que tenha sido excomungado pelo seu comportamento "pecaminoso". Os bilhões de indenização que o Vaticano paga às suas vítimas servem como testemunho à conivência da igreja católica com a pedofilia.

Aí vem outro pedaço interessante, onde ele diz:

A distorção mais freqüente é aquela que garante — e cansei de ouvir esta besteira — que os católicos só liberam as relações sexuais com fins reprodutivos. É uma tolice. O que a Igreja afirma é a unicidade do casal (e, por isso, a união indissolúvel a não ser pela morte), que considera sagrada. O ato sexual, para a Igreja, é parte dessa comunhão. Digam-me onde está escrito ou prescrito que uma mulher que tenha encerrado seu ciclo reprodutivo, por exemplo, está proibida de manter relações sexuais com seu marido. Não está. E, nesse caso, o sexo não traz a possibilidade da procriação. O mesmo vale para um casal estéril — marido, mulher ou ambos. Sara era estéril. E, é fato, só se sabia assim porque, presume-se, havia mantido uma vida sexual ativa com Abraão. Por isso riu, desconfiada e um tanto desdenhosa, quando Deus anunciou que iria engravidar. Já era uma mulher velha.

Claro que o problema do "sexo" católico é ainda mais interessante: os únicos métodos anticoncepcionais aprovados são o "coitus interruptus" e a "tabelinha". O primeiro tem uma taxa de falha de aproximadamente 20%, enquanto o segundo ao redor de 18%. Se um casal casado católico praticante usar os dois ao mesmo tempo, a taxa de "acidentes" será de aproximadamente (.2 x .18) = 3,6%. Um casal normal e saudável que faz sexo todos os dias, exceto nos proibidos pela tabelinha, terá então uma probabilidade de aproximadamente 40% de engravidar cada ano, se fizerem tudo perfeitamente bem. Isso significa um filho a cada dois anos e meio, em média. Na vida fértil desse casal, que pode ser de 30 anos, eles terão em média 12 filhos. Claro que podem optar pela abstinência quando ficarem desesperados tentando alimentar tanta gente. É mais do que óbvio que os preceitos católicos forçam filhos indesejados... A única diversão do sexo passa a ser quando se tem uma esposa estéril, ou quando se é estéril. Claro que os padres sabem que os meninos jovens jamais ficarão grávidos, e se aproveitam do fato. É mesmo engraçado tentar entender o que é que o Reinaldo quer dizer com "honestidade intelectual".

De novo: pode-se considerar essa visão de mundo antimoderna, conservadora, reacionária, sei lá o quê — ainda que ela seja uma orientação AOS CATÓLICOS (e, é fato, há contido aí um norte ético dirigido a todos os homens). Mas seguir tal padrão é uma escolha, um ato volitivo. “Ah, mas a Igreja faz pressão pública contra o aborto, as políticas contraceptivas etc”. Faz, sim. Menos do que dizem, mas faz. E entendo que o faz dentro do ambiente da liberdade religiosa. Ou vamos amordaçar os católicos?

Não é necessário amordaçar os católicos: deixá-los falar é o que os faz mais ridículos. No Vaticano, o norte moral, o guardião dos bons constumes, o aborto é proibido até quando a vida da mulher está em perigo. Isso significa que se uma mulher tiver uma gravidez ectópica - fora do útero - ela é condenada à morte, segundo os padrões tão nobres do catolicismo. Precisa dizer mais? A vida de uma mulher vale menos que o de um zigoto unicelular fecundado. Isso sim é que é odiar as mulheres. Será que o nosso intelectual católico aprova esta pena de morte?

O aborto é proibido no Brasil por causa da pressão dos católicos. E os não católicos, por acaso tem alguma opção fora da ilegalidade? Se as mensagens do Vaticano são para os católicos, por que todos os demais tem que se submeter a semelhante ditadura religiosa?

O nosso nobre representante dos carolas continua, inabalável:

Encerro este post observando que, para certo pensamento politicamente correto, todo preconceito é detestável (e, neste particular, estou com ele), menos o preconceito anticatólico. Digam-me um só dos males remanescentes no mundo moderno ou típicos dele que tenha sua origem no catolicismo. Aids? Pode-se contraí-la de muitas maneiras. Seguindo a orientação católica é que não.

Claro, Reinaldo imagina um mundo de castos, virtuosos. Entretanto missionários católicos negam a populações miseráveis da África os mais básicos meios de planejamento familiar, ou meios para impedir o avanço de doenças venéreas. Meios simples, eficientes e baratos que são sistematicamente demonizados para incentivar o crescimento da miséria e da ignorância. É claro que a orientação católica, como Reinaldo diz, não é realista. Olhando um pouco mais de perto, é inacreditavelmente maligna. É estranho que os defensores do Vaticano não percebam.

Se tivesse que usar um único adjetivo para qualificar a religião, eu usaria "desonesta". No caso do Reinaldo, eu diria somente que fé e intelecto são definitivamente incompatíveis.

8 comentários:

Anônimo disse...

Ele deveria cobrar honestidade intelectual de coleguinhas que manipulam estatístas pra demonizar professores. Nunca vi tanto recalque, acho até que foipego colando e daí tanto rancor contra os otários que ainda se sujeitam a entrar em sala de aula do Brasil, muito pior que na África.Tenho conhecidas missionárias lá e as crianças que conseguem ter alguma escolinha sob tendas de lona, tratam seus professores como deuses.Salvo alguns países que acham que chamar um ursinho de Mohamede é crime da professora.Mas onde não há nóia religiosa, só pobreza mesmo,as crianças amam suas professorinhas.Aqui, bem, aqui são saco de pancadas de tudo que dá errado.
SE ser professor é tão bom, bem pago como diz a matéria desonesta do Ioschpe,por que o amigo dele, Azevedo, deixou de ser professor do Quarup?Decerto fez as contas e viu que como professor, mesmo em escola particular, nuncaaaa poderia morar onde mora,mesmo bairro do FHC, em Sampa.Não poderia dar às filhas, enfim, à família,o padrão que tem.Não existe um só professor morando ali naquela região, que viva com salário de professor e só. Salvo FHC, né?, que era da USP chocadeira de esquerdopatas e que se aposentou cedo e bem$$ graças a "malvada" ditadura.

Com relação ao aborto , procure na net "bolsa-estupro" de iniciativa de um petista evangélico...

Com relação à pena de morte,Mainardi fez um belo texto pro Natal, defendendo, mas Azevedo nem comentou ou lincou como sempre fez pro amigo ateu...Acho que aquela amizade vai acabar em chega pra lá de uma das partes.

Zappi disse...

"Acho que aquela amizade vai acabar em chega pra lá de uma das partes."

É possível. Por sorte o Reinaldo não percebe que é tratado por muitos como se fosse um louquinho manso. O próprio Mainardi ignora suas opiniões religiosos e aproveita algumas de suas opiniões políticas.

eduardo disse...

Lembrando a excelente frase (como de hábito) de Millor: de todas as perversões sexuais, a abstinência é a mais incompreensível.

Por que não lembrar tambem o ótimo personagem de Chico Anisio, Tim Tones: vamos rodar a sacolinha!

Anônimo disse...

Afff,Tim Tones??Esta foi do baúuu :) Nem me lembrava mais, gostava do Justo Veríssimo com seu "pobre que se exploda".

Chico é dono de grande talento, mas parece ter encolhido depois que se juntou com aquela vampira de almas, Zelia Cardoso.Ele depois se deu conta, porém era tarde demais. Já tinha abraçado o diabo/a.

Acho que na época do Tim tones ainda não havia IURD do Edir Macedo,né?
Não vejo muita diferenças entre a IURD e a Igreja Católica Apostólica Romana. O papa é tudo que Jesus condenava:soberba, luxo, poder e julgo sobre os outros.Pedro nunca esteve em Roma e usam o coitado pra justificar a existência da ICAR como sendo a igreja que Jesus teria mandado Pedro fundar.
Dos ensinamentos de Cristo - relatado por terceiros, sempre, nada de próprio punho não sendo Jesus analfabeto - o Vaticano não segue nenhum: humildade, caridade, naquele luxo todo? imiscuído em todo tipo de poder material e político terreno?AFF...

Não me espanta igrejas(templos) sendo vendidos pra particulares como mansões e até hotéis maEuropa; sem grana pra manter, o jeito é privatizar hehehe.

Orlando Tambosi disse...

Belo post, Zappi.

Feliz 2008!

Zappi disse...

Obrigado, Tambosi! Tudo de bom para você em 2008!

Catellius disse...

Todos seus posts são excelentes! Vou adicionar seu blog aos meus favoritos.
Neste post, por exemplo, chamou-me a atenção em primeiro lugar o que estava escrito em vermelho e pensei "pombas, que conversinha fiada desse Zappi, ele está parecendo o Reinaldo Azevedo". Ha ha ha! E não é que era ele mesmo?

Parabéns mais uma vez pela lucidez.

Para o idiota-quando-fala-sobre-religião Reinaldo Azevedo, os africanos não seguem os preceitos da ICAR; não são católicos exemplares portanto; logo a ICAR pode fazer uma verdadeira cruzada contra o uso de preservativos junto a estes adeptos promíscuos que a desafiam abertamente violando a castidade, e a crentes de outras religiões, inclusive difundindo mentiras como a que a camisinha ajuda a espalhar o vírus. Se puderem, devem impedir a entrada de camisinhas em determinadas comunidades e impedir que esposas fiéis ainda não infectadas façam sexo com camisinha com o próprio marido. Ou seja, as mulheres, mesmo fiéis, não podem usar camisinha por medo de contrair a doença de um marido infiel. Danem-se também as crianças que contraírem a doença das mães, afinal quem mandou nascer em um continente onde humanos transam com macacos? A mulher do marido infectado deve renunciar eternamente ao sexo ou esperar que ele morra para casar com alguém livre do vírus. Aí é só transar à vontade e aguardar as dezenas de filhos que deus enviar. Só vale tentar evitar filhos parando de transar ou fazendo a inútil tabelinha, afinal usar camisinha não é estar aberto à vida e a pílula é abortista.

Ou podem transar antes de casar com mais de uma pessoa mas usando camisinha. Aí "é como" se fossem virgens ou liberais adeptos do catolicismo a la carte e já podem criticar os que pegaram AIDS e chamá-los de animais.

Os tolos não querem ver que são "animais" porque não usam camisinha, porque acham que transar com virgens afasta a doença, são "animais" porque acreditam nas mentiras absurdas da ICAR, porque são supersticiosos e corruptos.

Se todos respeitassem mesmo a lei da igreja não haveria assassinatos (exceto aqueles em nome de deus). Grande coisa.
Ninguém diz que a ICAR infectou as pessoas. Aí está a barata falácia da pressuposição que o Reinaldo usa. A ICAR é um entrave para a profilaxia, para políticas governamentais de combate à doença, uma vez que naquelas terras o sobrenatural mete mais medo do que o natural, ainda mais quando o vírus, como os espíritos, também é invisível a olho nu.

Abraços

ielpo disse...

Na veia mais uma vez, Zappi! Parabéns!

Permita-me discordar de um ponto: "Aposto um dedo mindinho que pelo menos 90% dos católicos não seguem esses tão nobres preceitos" Pronto, perdeste um dedo! Só 90%? hehehehehe, vais receber uma aposentadoria igual à do nosso Timoneiro agora?

A propósito, fiz 2 posts a respeito do espírito natalino lá no meu cafofo, se tiver tempo passe por lá... Imagina o quanto já fui xingado por expor minhas idéias "revolucionárias" sobre esta pantomima de Natal, e etc nas reuniões de família....

Abraço!