2007-11-03

Interferências indevidas

Quando alguém diz que algum medicamento não deve ser vendido na farmácia, supomos que exista algum motivo técnico para tal. Quando o papa diz a farmacêuticos que não vendam a "pílula do dia seguinte", pois isso entra em conflito com o catolicismo, somos obrigados a nos perguntar com que base ele diz algo assim.

O papa não é cientista. Ele não é farmacêutico e nem médico. Ele não é mais que um velho assexuado com um repulsivo lado voyeur, sumamente interessado no sexo dos demais. Ainda por cima se imagina o porta-voz de um deus, o guardião moral da humanidade. O triste disso tudo é que há gente que ouve e dá bola ao que um tipo assim diz. Um abutre vestido de branco.

A boa notícia é que os italianos não acharam inteligente a atitude do papa (aqui). A Itália, apesar de ter o Vaticano em suas entranhas, ainda é um país civilizado. Até imagino o que o Papa deve estar pensando:

"Hoje a pílula do dia seguinte, amanhã a pílula, depois a camisinha..."


Eu acho que esse negócio de celibato está deixando os religiosos muito estranhos. O mínimo que o Papa poderia fazer é tomar algumas medidas para impedir que os padres católicos fizessem sexo com crianças... Eu me pergunto se os padres, quando estupram meninos (veja aqui), usam camisinha?

2 comentários:

ielpo disse...

Zappi, muito interessante também a postura dos nossos "hermanos" chilenos, ao final do texto de um dos links: "In February, Chile allowed girls aged 14 and over the right to the morning after pill free of charge and without parental consent after a bitter debate that pitted the government against the Catholic Church"... e pensar que é só a gente "pular" os Andes pra tomar um banhozinho de civilização...

Abraço!

Ielpo

Zappi disse...

Isso deve ser por causa daquela célebre frase do maloqueiro-mór:

"O Chile é uma merda"

Incrível, tudo o que ele diz tem que ser considerado ao contrário.