2009-11-29

ClimateGate




O escândalo já tem nome: Climategate em uma alusão ao escândalo de Watergate, que derrubou o presidente Nixon. Leia este excelente artigo no The Times sobre todo o que aconteceu.

Climategate é uma longa história de fraudes e manobras políticas. É basicamente sobre um grupo de cientistas fraudando resultados para que o aquecimento global pareça mais perigoso do que é, e ao mesmo tempo ameaçando editores de revistas científicas que publicarem qualquer artigo contrário à tese de que o aquecimento global é catastrófico.

Os cientistas então estão divididos em dois grupos.

Os 'catastrofistas' que são os que acham que o mundo vai se acabar em 100 anos, que os furacões vão aumentar, as tempestades vão devastar o globo, os desertos vão se expandir, as chuvas vão diminuir (ou aumentar), as calotas polares vão derreter e os mares subirão vários metros em pouco tempo e que tudo isso é causado pelas emissões humanas de dióxido de carbono.

Os 'céticos' acham que o mundo está só um pouquinho mais quente mas que isso não terá maiores consequências. Eles acham que o mundo já esteve mais quente do que agora uns 1000 anos atrás e que variações de temperatura como as verificadas agora são totalmente normais na história de nosso planeta.

Interessante é que os catastrofistas recebem o grosso do dinheiro para pesquisas. Se você for cético, os governos não está interessados. Aparentemente o interesse dos governos é de instituir alguma forma de imposto à energia, o que naturalmente gerará um fluxo de caixa gigantesco para que os burocráticos governantes aumentem seu já gigantesco poder.

Neste ambiente distorcido, se um cientista 'catastrofista' descobrir que o mundo está esfriando, ele seria banido da lista de cientistas que recebem dinheiro para pesquisas. Resta a eles fraudar as pesquisas exagerando o minúsculo aquecimento que realmente há.

Mesmo sem dinheiro, os céticos estão vencendo rapidamente. A longo prazo a ciência sempre prevalece, mas os estragos causados pelos políticos vão levar um bom tempo para serem corrigidos.

2009-11-20

A conspiração dos cientistas de araque

Este assunto vai render. Aparentemente os e-mails pessoais dos cientistas da Unidade de Pesquisa Climática da Universidade de East Anglia, um centro mundial de pesquisas climáticas, são verdadeiros e mostram de maneira inequívoca manipulação de dados, distorção de resultados, perseguição a outros cientistas e ocultação de resultados desfavoráveis.

Estes e-mails são prova clara de sérias atividades criminosas por parte de cientistas renomados internacionalmente e que defendiam com unhas e dentes a tese de aquecimento global catastrófico causado por atividades humanas.

O que disseram estes cientistas quando se viram expostos?

O Professor Michael Mann, o inventor daquele gráfico que mostra que nunca esteve mais quente nos últimos 2000 anos, disse:
"I'm not going to comment on the content of illegally obtained emails. However, I will say this: both their theft and, I believe, any reproduction of the emails that were obtained on public websites, etc, constitutes serious criminal activity. I'm hoping the perpetrators and their facilitators will be tracked down and prosecuted to the fullest extent the law allows."

ou:

Não vou comentar sobre o conteúdo dos e-mails obtidos de forma ilegal. Entretanto vou dizer o seguinte: tanto o roubo [dos e-mails] e, acredito, qualquer reprodução dos e-mails obtida em websites públicos constitui séria atividade criminosa. Espero que os perpetradores e os que os ajudaram [a divulgar] sejam achados e processados com todo o rigor da lei.

Alguma palavra sobre o contéudo dos e-mails? Não. Michael Mann, cujo gráfico foi desacreditado por utilizar más praticas estatísticas e 'erros' no tratamento de dados parece muito enfurecido. Com razão. Toda a sua reputação profissional está em jogo.

Entretanto, fica a pergunta: no mundo da ciência o que importa é a realidade. Se esses cientistas fizeram o que aparentemente fizeram, merecem total e irrestrito desprezo. Teremos muito a agradecer ao hacker que expôs os crimes dessa gente baixa. Não são cientistas esses que, para manter os próprios resultados fraudulentos continuaram fraudando e destruindo reputações.

A vergonha não é suficiente para encobrir os crimes dessa gente. Eles não parecem sentir vergonha. Só o desprezo geral e a reputação totalmente destruída é o que essa gente baixa merece.

A maior conspiração da história da ciência?





Atenção leitores: podemos estar prestes a descobrir a maior conspiração que jamais foi levada a cabo por pesquisadores do mundo inteiro. Será verdade?

Um 'hacker' ou talvez um cientista enfurecido publicou em sites do mundo todo muitos megabytes de e-mails privados de cientistas líderes em pesquisas climáticas que, aparentemente, cometeram crimes terríveis. Como mínimo estes cientistas:


  • Alteraram temperaturas passadas e destruiram os arquivos originais
  • Distorceram reports e falsearam medidas
  • Conspiraram para mostrar um aquecimento global que não existia
  • Conspiraram para suprimir artigos de cientistas com visão oposta à deles

Bom, eu os chamei de 'cientistas'? São na verdade criminosos, isso se os e-mails forem mesmo originais. 

Se forem verdadeiros, toda a baboseirada do aquecimento global virá abaixo como um edifício sendo implodido, arrastando milhares de reputações consigo.

Aguarde!




2009-11-19

Comemoração

Site Meter



Este bloguinho finalmente chegou aos 100.000 visitantes apesar da minha preguiça para escrever... Muito obrigado, meus queridos leitores.

Chamada Geral

Assassinos do mundo todo! Chamada geral!

Foi condenado? Não se preocupe! Faça também como Cesare Battisti!

Se você conseguir dar uma passadinha no Brasil, basta dizer que os seus crimes eram na verdade parte de uma batalha comunóide para arrasar os porcos capitalistas e... pronto! O Supremo Tribunal Federal vai passar a bola para o grande Juiz Brasileiro: O Maloqueiro-Mór. Se você for suficientemente comunista o Nosso Maloqueiro jamais vai deixá-lo na mão.

Além disso só no Brasil você contará com apoio irrestrito do Congresso Nacional.

Foi condenado? Não esquente! Em um país em que vale tudo, tudo pode acontecer.

2009-11-11

Apagão

Não sei porque todo mundo está tão preocupado com o apagão de Lula (o elétrico). O verdadeiro Apagão de Lula é mental e com um alcance muitíssimo maior que essa coisinha-à-toa que aconteceu com Itaipu.

Quando um comediante chamado "Chupim" é confundido com o Presidente do Brasil, algo deve estar errado com o presidente. Parabéns ao comediante que captou a essência do Maloqueiro-mór.



2009-11-05

Ex-post

Eu saí do Brasil porque achei que o país ia demorar muito a se recuperar da corja que acompanhou Lula ao poder. Percebi em 2004, saí em 2005.

Eis que Fernando Henrique disse outro dia:

“se Dilma ganhar as eleições, sobrará um subperonismo (o lulismo) contagiando os dóceis fragmentos partidários, uma burocracia sindical aninhada no Estado e, como base do bloco de poder, a força dos fundos de pensão”.

Com todo o respeito que tenho por Fernando Henrique, acho que demorou muito para, só em 2009, perceber que a burocracia sindical já está aninhada no Estado, e já domina a força dos fundos de pensão. Não vai ser Serra a desinfetar essa corja.

Eu tinha razão. Novamente.

2009-10-31

Taleban brasileiro




É assim que se começa. O Brasil está indo a passos largos em direção à selvageria Taleban.

2009-10-24

A inteligência brasileira


Para resolver o problema das favelas, o governo brasileiro decidiu trocar-lhes o nome. Em lugar de favela, que é um nome feio que implica miséria e violência, passou a chamá-las "comunidade favela".

A foto acima foi tirada ao lado da "comunidade favela Vila Cruzeiro". Não é preciso ser muito inteligente para perceber que o problema da favela não foi resolvido. Estes dois estão tentando evitar que tiros disparados por marginais, agora re-batizados de "balas perdidas", inimputáveis agentes da morte, se alojem em seus corpos.

Se mudar nomes resolvesse alguma coisa, a inteligência dos brasileiros seria famosa em todo o mundo. Enquanto a aclamação internacional não chega, o mais aconselhável é continuar a andar de quatro.

2009-10-23

Obama copia Lula

Obama banana segue descendo no meu conceito. Agora ele decidiu imitar Lula - dá para descer mais baixo? - e atacar a Fox, uma das redes de notícia que mais critica as suas políticas incoerentes. A Fox é para Obama o que a "Veja" é para Lula. O pior é que Obama está usando as mesmas palavras do garanhunense. A "mídia" estaria fazendo algo terrível contra Obama.

Terrível? Não seria melhor que o funcionário público Obama mostrasse serviço?

Mas por sorte a "mídia" americana tem muito mais consciência de seu papel na sociedade do que a brasileira. Lá no país do norte, todas as outras redes noticiosas se uniram para evitar a exclusão da Fox News.

Claro que em Garanhuns, digo Brasil, isso jamais aconteceria.



2009-10-10

A verdade desinteressante

Século 19. Batalhões de cientistas procuram por explicações para os fenômenos naturais. Eles sabiam que o estudo e as experiências levam a uma melhor compreensão do universo com potenciais ganhos fantásticos, inimagináveis.

Século 21. Os cientistas do século 19 provaram que estavam certos e usufruimos hoje de tudo o que eles desenvolveram. Resultaram do suor desses heróis:

  • telefone celular, 
  • redes de comunicação
  • os computadores
  • a televisão
  • cinema
  • ar condicionado
  • refrigerador
  • o carro
  • as máquinas agrícolas
  • todas as máquinas domésticas 
  • a melhora no rendimento da agricultura
  • a eliminação da fome
  • as vacinas
  • erradicação de doenças
  • o aumento da longevidade
  • os antibióticos
  • os inseticidas
  • o aumento geral na qualidade de vida.

Usufruimos alegremente de tudo isto sem jamais entender como essas coisas funcionam. Apertamos um botão e, pronto! Conseguimos o que queremos. Entretanto há algo negro pairando no ar.

Na nossa época, a verdade não tem o valor que tinha no século 19, o século das grandes descobertas. A verdade é desinteressante. Por que que um usuário de um celular com câmera digital ia querer entender como funciona a física dos microcircuitos que ele tem na palma da mão? Exato. Desinteressante, complicado e cansativo. O importante é que se comprem mais câmeras, que a economia gire, certo?

Assim, ao mesmo tempo repetem-se certas ladainhas inacreditáveis, como a do "aquecimento global". Sim! Os mares subirão. Sim! O mundo ficou mais quente. Mas quanto subirão os mares? O público é incapaz de compreender as grandezas envolvidas. Simplesmente não sabe o que é um milímetro, portanto não entende o significado de 20 milímetros por década. Também não sabe o que é um grau centígrado, portanto não entende o que é um aquecimento de 0,2°C em 30 anos. É complicado, desinteressante e cansativo. O importante é que a economia aumente, certo?

Aparentemente é exatamente a economia o que orienta os ambientalistas radicais. Os "créditos de carbono" são simplesmente uma maneira de encarecer o que é barato - energia - e redirecionar este dinheiro para comerciantes que o que fazem é simplesmente trocar nada por coisa nenhuma. Todos pagarão mais, a economia ficará maior, mais complexa. Os governos poderão, usando o pretexto de o fim do mundo estar próximo, se apropriar de uma fatia maior do bolo para alimentar seus incompetentíssimos burocratas. É a auto-perpetuação da mentira. A verdade? A verdade que se estrumbique. No fim quem é que está interessado?

Um dia, em um futuro talvez não tão distante, alguém se lembrará de perguntar como é que todas essas maravilhas funcionavam. Terá como única resposta um profundo e tenebroso silêncio.



2009-10-05

O maior dos presentes

Ganhei um fantástico presente. Herdei uma biblioteca. Mas não é uma biblioteca pequenina não. É uma biblioteca com mais de um milhão de volumes!

Ainda não me refiz do susto. Como foi que eu fui escolhido para receber essa magnífica herança se nem conheço o meu benfeitor? E como vou fazer para começar a ler os meus livros, tantos livros, que são somente meus e estão todos ao alcance dos meus dedos?

Não termina aí a minha imensa sorte. Acontece que meu benfeitor também era muito organizado. Os livros estão catalogados em índices por assunto, autor e palavras de referência. Não há como perdê-los na imensidade das infindáveis estantes. Tudo isso para mim.

E o custo de manter estes volumes em ordem? Alguns livros tem mais de 300 anos! Até nisso o meu benfeitor pensou. Está tudo pago enquanto eu viver. Os restauradores, o ar condicionado, um batalhão de especialistas trabalhando para mim.

Comecei a explorar a minha livraria. Procurei "Química", que é um assunto de que gosto. Lá estão as obras originais, nas primeiras edições de Berthelot, Lavoisier, von Liebig. Livros raríssimos! Não serei capaz de explorar completamente os livros de química nos anos de vida que me restam. Isso sem contar todos os outros assuntos, científicos, livros de arte, literatura, arquitetura, música, engenharia...

E por que eu? O que eu fiz de especial para ganhar este presente?


Bom, na verdade eu ganhei os livros porque gosto de ler. A maior parte das pessoas jamais vai vê-los, mas aquele que gostar de livros como eu gosto pode ganhar uma biblioteca igualzinha. Como?

Ora, é só clicar aqui. Open Library é parte de um monumental projeto de digitalização de todos os livros que a humanidade já escreveu. Se quiserem baixá-los convém fazê-lo no formato .djvu (dejàVu) que tem um programa leitor grátis. Podem também ser lidos on-line. Isto é só uma amostra do que vem pela frente. É uma revolução como nunca houve na história da humanidade.

Nunca tantos livros foram tão acessíveis. Os livros raros nunca mais serão raros. A parte difícil é encontrar alguém que goste de ler, especialmente no Brasil. Se você for um deles, fique grato pelo gigantesco presente que você acaba de receber e passe adiante! Divirta-se!

2009-10-01

Líder ou Ditador?


Ainda bem que há ainda gente inteligente na imprensa brasileira. Abaixo um artigo de Augusto Nunes, que escreve na Veja, sobre a peculiar forma dos jornais denominarem ditadores sangrentos: "Líder"... Excelente

Líder é o codinome dos ditadores
Por Augusto Nunes

Entusiasmados com as cenas de abertura do pastelão cucaracha produzido por Hugo Chávez, protagonizado por Manuel Zelaya e encenado num estúdio do Itamaraty em Tegucigalpa, os editores da seção internacional da Folha e do Estadão inventaram o jornalismo de altíssima definição e precisão duvidosa. Zelaya, por exemplo, virou ”presidente deposto”, ”presidente democraticamente eleito” ou “presidente constitucional”. Roberto Micheletti, transferido da presidência do Congresso para a chefia do governo por determinação constitucional, foi rebaixado a “presidente golpista” ou ”presidente de facto” (com c, de conspiração).

Se ninguém mais é apenas chefe de governo, chefe de Estado ou presidente, que tal estender ao resto do mundo os qualificativos que iluminam a crise em Honduras? Pelas normas que têm orientado a cobertura, Mahmoud Ahmadinejad, por exemplo, deve ser apresentado como “presidente eleito sob suspeita de fraude”. E o cartão de visitas de Hugo Chávez tem de identificá-lo como ”presidente ex-golpista”.

A varredura das ambiguidades e dos eufemismos exige a imediata demissão de todos os “líderes”. Líder todo chefe político é. Se estiver na oposição, continua líder. Muda de nome ao instalar-se na chefia do governo. Se chegou ao poder pelo voto, é ”presidente constitucional”. Se contornou o caminho das urnas e assumiu o comando a bordo de um golpe militar, uma safadeza civil ou um movimento revolucionário, é ditador. Não pode fantasiar-se sequer de ”presidente golpista”, “presidente inconstitucional”, ”presidente autoritário”. E fica terminantemente proibido o uso do disfarce de líder.

O líbio Muammar Khadafi foi líder só até o golpe vitorioso. Há 40 anos é ditador. Fidel Castro foi líder até 1° de janeiro de 1959. Proibiu-se de ser presidente ao implantar a ditadura comunista. Tornou-se ditador. Como Fidel por quase 50 anos, o caçula octogenário continua aparecendo nos jornais com o crachá de “líder”, ou com a carteirinha de “presidente”. Os jornalistas fazem de conta que é verdade.

Como todos os tiranos, ambos serão sempre ditadores aos olhos dos homens sensatos. Onde combatentes das redações enxergam líderes continuarão a existir assassinos da liberdade, da democracia e de gente.


Jazz Sebastian Bach




2009-09-29

A atração do Bizarro


Já faz um tempo que noto a preferência do público pelo que for bizarro, doente mental ou ignorante. Aparentemente não há limites na atração do público por seres absurdos. Só assim se explica que a Bruna Surfistinha seja campeã em vendas de livros; Michael Jackson riquíssimo campeão em vendas de discos com sua cara deformada por centenas de cirurgias plásticas e o Lula presidente de um país com 200 milhões de pessoas.

Não é relevante, mas só para relembrar: a Bruna Surfistinha é só uma vagabunda, o Michael Jackson é (era) um doente mental de carteirinha e o Lula um ignorante assumido.

O que atrai o público? A doença mental, a ignorância, o despudor mais bizarro. Nisso as três figuras coincidem: estariam certamente destinadas ao sucesso.

Agora, vamos falar da última do nosso bizarro Lula. Presidente do país mais poderoso da América Latina, curva-se ao tirano do menos poderoso: o moribundo Fidel Castro, de Cuba. Como este está mais pra lá do que pra cá, então Lula é obrigado a obedecer ao seu porta-voz e candidato a ditador-mor da Latinoamérica, o patético - e bizarro, claro - Hugo Chavez.

Claro... o que não seria ainda mais interessante do que apoiar outros ridículos, bizarros e ignorantes como Evo Morales e agora, Manuel Zelaya? Diversão garantida e uma fachada impermeável atrás da qual escondem-se esquemas de corrupção nunca antes imaginados na história destes países.

Assim, Lula empresta a Zelaya a embaixada do Brasil em Tegucigalpa para que este tente uma revolução nos moldes Chavistas no minúsculo país centroamericano. O golpe é de Zelaya mas a imprensa bananeira diz que Zelaya foi destituído por um golpe.

Se reporter brasileiro soubesse ler, veriam que até a Wikipedia explica que o golpe foi tentado por Zelaya, que queria se manter no poder de qualquer maneira, destruindo a constituição.

Mas reporter brasileiro não precisa ler. O negócio é vender jornais. Entretanto, os jornais só são vendidos exibindo o grotesco, ridículo e doente. Como o Lula, Chavez, Zelaya, Bruna Surfistinha e o cara da foto aí embaixo. O resto é perda de tempo e de espaço para anunciantes.

2009-08-04

A repugnância como ferramenta de domínio

Eu sempre desconfiei dessa estratégia, entretanto eu tinha sempre a impressão de que eu estava delirando um pouco. Afinal quem é que teria estômago para gerar fatos repulsivos, um atrás do outro, para tentar dominar as pessoas normais através da paralisia que o asco gera?

A resposta é cada vez mais clara.

O que é mais repugnante do que um político que muda de domicílio eleitoral para o Amapá porque comprar votos é mais barato por lá? Ou de um vagabundo que defende criminosos como se todos fossem filhos dele?

É que não basta roubar, há que fazê-lo da maneira mais porca e descarada para poder imobilizar o inimigo. Não basta defender assassinos, é necessário defendê-los como se defensor e defendido fizessem parte de uma só irmandade fedorenta e promíscua. Não adianta controlar o Estado, há que fazê-lo usando os argumentos mais insuportavelmente retardados. É necessário usar os conceitos mais putrefatos, aqueles que só poderiam ter tido origem em seres sem nenhum asco, em vermes imundos que se refestelam em esterco fermentado.

Assim e só assim se consegue imobilizar um inimigo. Sempre e quando o inimigo seja uma pessoa humana, está claro.




2009-06-22

Obama Banana

Em sua famosa e festejadíssima fala aos "islâmicos", Obama disse, entre outras sandices:

...That is why the US government has gone to court to protect the right of women and girls to wear the hijab, and to punish those who would deny it.


Que homem sensível às necessidades dos ignorantes! Um presidente multicultural nos Estados Unidos! Que diferença entre Obama e George Bush! Entretanto agora Obama tem um problema. O presidente da França, Nicolas Sarkozy, disse ao congresso e à nação francesa:

"We cannot accept to have in our country women who are prisoners behind netting, cut off from all social life, deprived of identity," he said. "That is not the idea that the French republic has of women's dignity.

"The burka is not a sign of religion; it is a sign of subservience. It will not be welcome on the territory of the French republic."


Caro Obama Banana, que tal deixar de papo furado e fazer o que você propõe? Que tal punir o Sarkozy por defender a liberdade das mulheres?


2009-06-21

“S’un cieco guida l’altro cieco..."

“S’un cieco guida l’altro cieco, ambedue cascano nella fossa.”


Ou, na língua de Camões:

"Se um cego guia um outro cego, ambos caem no fosso".


Não há parábola mais acertada para o que aconteceu no governo americano. Barack Obama, graduado em direito, foi guiado por Al Gore, formado em artes, para escolher um grupo de cientistas que falariam sobre o "aquecimento global", agora chamado "mudança climática". O resultado foi verdadeiramente patético. Tudo o que sabemos ser falso no discurso de Al Gore reaparece como num passe de mágica no relatório "Global Climate Change Impacts in the United States", publicado pelo "US GLOBAL CHANGE RESEARCH PROGRAM".

O report (se quiser ler, está aqui) tem de tudo para ser a nova bíblia do alarmismo eco-louco. Tenta por exemplo demonstrar que o "clima está mudando" com um gráfico, feito a partir de dados falsos, que tenta associar o número de distúrbios na rede elétrica com o aquecimento mudança climática. A lógica não explica mas, segundo o relatório, os distúrbios na rede elétrica são causados pelo clima que mudou por causa do dióxido de carbono emitido pela queima de combustíveis. Obama conseguiu produzir uma ode à incompetência e um motivo de vergonha para o presidente dos Estados Unidos.

Esta ignorância infinita em assuntos científicos poderia ter sido evitada se o presidente e o quase-presidente tivessem estudado ciência enquanto eram pequenos. Agora já é tarde: o advogado orador e o artista não mais recuperarão a visão.



2009-06-11

Como se lambuzar fazendo alarde

1918: 100 milhões de mortos por uma epidemia de gripe. A população era de 1.6 bilhões, portanto mais de 5% da população mundial morreu de gripe.

O mundo era muito diferente no início do século 20. Não havia antibióticos. As pessoas morriam não da gripe em si, mas de infecções bacterianas que se instalavam no corpo enfraquecido. Essas infecções teriam sido completamente tratáveis com antibióticos que infelizmente, não existiam.

Também não existia nenhuma maneira de verificar qual o tipo de gripe de que alguém sofria. As tecnologias genéticas não eram conhecidas em 1918. Na verdade nem sequer se sabia que nos núcleos das células existia essa fantástica molécula, o DNA, que é capaz de denunciar a origem de um vírus.

Porque então tanto alarde sobre a gripe desta estação? Se ninguém vai morrer nem está morrendo? Só para colocar em perspectiva, morrem 1.5 milhões de pessoas de malária e ninguém dá bola, morrem 600 mil pessoas todos os anos de gripe comum e ninguém dá bola, e de gripe "suína" morreram 143 pessoas no mundo todo. 143? Onde está o problema? 143 dividido por 6 bilhões é 1 em 40 milhões. Isso é 100 vezes mais improvável do que morrer estrangulado na cama. Bem diferente de uma em vinte pessoas, que foi a taxa de morte da gripe espanhola em 1918.

Toda a histeria coletiva e consumo de antiviróticos - que tampouco existiam em 1918 - são baseados em um estudo, somente um estudo, que conta uma história diferente. Este estudo se baseou em uma reconstituição genética do virus assassino a partir de uma mulher que morreu congelada no Alaska e supostamente morreu de gripe suína. Como ficou congelada por quase um século, conseguiu-se extrair o vírus 'espanhol' e injetá-lo em macacos, que morreram rapidamente. De acordo com esse estudo eles não morreram de infecções oportunistas bacterianas, como se supunha anteriormente. Morreram de uma espécie de reação auto-imune, um choque bacteriano. Alguém reproduziu estes resultados fantásticos? Não.

Entretanto esta informação é muito conveniente para quem quer que seja que receba dinheiro público para prevenção de epidemias. Como não houve nenhuma epidemia digna de nota desde o fim da segunda guerra, estas organizações precisam inventar histórias que assustem o público. Para quê? Para poder recolher quantidades absurdas de dinheiro e manter o fluxo de caixa apetitoso. Quanto mais hipocondríacos em pânico, melhor.

Não faz diferença que ninguém morra. A Organização Mundial de Saúde sempre dirá que foi capaz de prevenir uma pandemia que teria matado 1/3 da população. O negócio é conseguir dinheiro para se lambuzar.

Como os porquinhos fazem em seus chiqueirinhos.

2009-05-20

O país mais lindo do mundo

E com o povo mais amigável do planeta. É mesmo. Gostaria de saber quais os critérios para chegar a essas conclusões que os brasileiros tanto gostam de divulgar. Na foto, a brasileira Suzane Richthofen, que tramou o assassinato dos pais enquanto dormiam. Foi condenada a 39 anos e seis meses de prisão.

Na birosca de Lula, 39 anos e seis meses na verdade significam pouco menos de 8 anos. Parece que os simpáticos habitantes desse país não entendem muito de aritmética. Ou são uns tremendos idiotas. Ou ainda acham que os assassinos, coitados, tem um direito fundamental: o de conviver livremente com as vítimas.

Bonito país.

2009-05-06

O professor inconveniente

Ian Plimer, geólogo australiano, demonstra que o ambientalismo é a nova religião fundamentalista do ocidente. Ambientalismo é anti-ciência mas se traveste de conhecimento científico, é fundamentalista com caça as bruxas, dia do juízo final, usa e abusa de culpas e pecados, e - agora esta é minha opinião - é a maior ameaça a tudo o que a ciência conquistou nos últimos dois séculos.


Também é possível assistir a uma palestra em 5 partes onde ele destrói um por um os argumentos dos "aquecionistas". Vale a pena!



Se puder, compre seu novo livro:
Heaven and Earth
global warming
the missing science.
Foi lançado há 15 dias e já está esgotado!



2009-05-02

Destruindo mitos

É realmente inacreditável a quantidade de vezes que se diz na mídia que o mundo está aquecendo perigosamente por causa das emissões humanas de dióxido de carbono.

Gráficos de reconstruções de temperaturas passadas são exibidos exaustivamente para tentar provar que jamais esteve tão quente nos últimos 1000 anos.

Não esteve mesmo? Notei que em todas as apresentações dos alarmistas faltava um gráfico, um crucial gráfico que mostra claramente como o clima terrestre varia naturalmente. É a reconstrução de temperatura dos últimos 20.000 anos.

Por que este gráfico é importante? Porque destrói completamente a tese de que há um aquecimento perigoso e inédito acontecendo agora mesmo no mundo. Tomei a reconstrução de temperaturas a partir dos núcleos de gelo da base Vostok na Antártida e a confrontei com as medições de temperaturas dos últimos 30 anos. O resultado é este gráfico:



Como vemos aqui, o tal do "aquecimento global" desaparece totalmente no meio das imensas variações NATURAIS do clima terrestre. Para quem não sabe, 17.000 anos atrás o mundo estava imerso em uma era do gelo - que é a condição normal da Terra nos últimos milhões de anos. Muito mais curtos são os períodos "interglaciais" como o que vivemos agora.

O clima varia naturalmente e o clima varia muito. A única coisa que se pode dizer sobre o clima recente é que está surpreendentemente estável. Nada mais.

Quem sabe os xiliquentos do aquecimento global encontram outra razão qualquer para se preocuparem e param de tentar arruinar a economia com seus impostos ao carbono. Vai uma sugestão: que tal se preocuparem com a gripe dos porcos?

2009-04-30

As baratas sobrevivem


Nesta entrevista a Augusto Nunes, Gabeira explica porque o congresso deve continuar a existir com uma frase muito interessante:
"Depois da bomba atômica, as baratas sobrevivem"



Mais entrevistas na coluna de Augusto Nunes, agora na Veja.

Ditaduras da América Latina





Alvaro Vargas Llosa apresenta este excelente documentário, produzido pelo National Geographic Channel. Mais episódios aqui.

Obrigado, Tambosi!

2009-04-29

Alucinações

A maior parte das pessoas acredita que alucinações são simplesmente manifestações de mentes doentes. Na verdade, todos alucinamos, se as condições forem favoráveis.

Quando era pequeno, costumava olhar para as irregularidades da parede, à noite, antes de dormir. A escuridão e as estranhas sombras causadas pelas luzes da cidade me faziam ver coisas: cavalos, rostos, animais estranhos, cenas e paisagens surrealistas. Assim que alguém acendia a luz as imagens desapareciam totalmente, mas era ainda possível perceber qual a mancha que havia servido de "semente" para as imagens bizarras que eu havia visto.

Há uma maneira clássica de gerar alucinações em sujeitos saudáveis: a privação sensorial. Se impedirmos alguém de receber informação em forma de imagem, som e estímulos táteis, o cérebro gera esses sinais ele mesmo. Simplesmente alucina para compensar a falta de informação que normalmente vem do exterior.

Esta é só mais uma evidência de que o cérebro humano precisa interpretar dados continuamente. Se os dados não fazem sentido por serem aleatórios, o cérebro inventa padrões automaticamente.

Assim, quando apresentamos dados caóticos, com grandes oscilações, as pessoas tentam ver uma "tendência" nesses dados, mesmo sem conhecer os fundamentos físicos por trás dos dados apresentados. Querem um exemplo? Vejam este gráfico:

Apesar do comportamento caótico do parâmetro medido, que oscila mais de 1 milhão de kilómetros quadrados para mais ou para menos, enxergamos uma tendência de aumento a longo prazo. O que isto significa?

Bom, apesar de tudo o que a mídia diz a respeito do aquecimento global e das calotas polares derretendo, este gráfico mostra claramente que há um AUMENTO CONSISTENTE no gelo ao redor da Antártida e não uma diminuição. Vou repetir, pois aparentemente as pessoas tem problemas em entender este fato em particular. O aumento de gelo ao redor da Antártida indica uma DIMINUIÇÃO na temperatura e não é um resultado do famoso aquecimento global. Mas como???

Bom, o problema mais sério é medir o tal do aquecimento global. Como já expliquei aqui, quase ninguém que defende medidas contra o tal "efeito estufa" tem a menor idéia da magnitude do aquecimento que foi medido nos últimos 30 anos. Digo 30 anos porque (aí vai outra bomba) NÃO HÁ COMO comparar a temperatura do globo nos últimos 30 anos com períodos anteriores. A razão é que não havia satélites capazes de monitorar a temperatura da terra com precisão antes disso. Todas as medições anteriores a 1979, portanto, tem um erro intrínseco muito maior do que o tal do "aquecimento verificado". De quanto estamos falando? Vejam os melhores dados disponíveis sobre a temperatura média da atmosfera terrestre:


Quanto aumentou a temperatura? Dois décimos de grau centígrado em 30 anos? Vocês estão me gozando, é? Notem que interessante; nesse período de 30 anos houve variações de mais de 15 décimos de grau de um ano para o outro. O que significam esses 0.2°C de variação? Exatamente isso: absolutamente nada.

Bom, a temperatura não está aumentando, é praticamente a mesma de 30 anos atrás. O gelo na Antártida está aumentando, o que é compatível com esfriamento global. E o gelo do Ártico?



Como podem ver, nos últimos 7 anos nunca houve mais gelo no Ártico do que agora. Está claro que tanto o gelo ao redor do polo Norte como o gelo ao redor da Antártida variam sazonalmente e flutuações imensas nesses valores são totalmente normais. Agora, tentar defender a tese de aquecimento global com gelo aumentando tanto no Ártico como na Antártida é um pouco além da minha capacidade de compreensão.

E que dizer da ESPESSURA do gelo? Dizem que nunca esteve tão fino. Não? Vejam que fino era o gelo no Pólo Norte em 1958 se um submarino era capaz de atravessá-lo para emergir e dar uma olhadinha nesse fim de mundo:

Skate (SSN-578), surfaced at the North Pole, 17 March 1959. Image from NAVSOURCE

Que tal em 1962? O gelo no pólo não deveria ser mais espesso?

Seadragon (SSN-584), foreground, and her sister Skate (SSN-578) during a rendezvous at the North Pole in August 1962

Neste assunto de mudanças climáticas os que defendem a restrição na emissão de dióxido de carbono normalmente

1. Não sabem o que é dióxido de carbono
2. Não sabem o que significa medir uma temperatura com 0.1°C de precisão
3. Falam em clima como as velhinhas que conversam sobre petúnias e divagam sobre o clima ideal que existia antes delas nascerem.


Bom, é compreensível que, apesar de tudo, as pessoas insistam na tese de que o clima está ficando mais quente. Toda a mídia nos bombardeia diáriamente com mentiras a respeito, fica até difícil acreditar em algo diferente. O cérebro humano tenta desesperadamente encontrar o padrão que se ajuste melhor às manchas aleatórias na parede.

Até que alguém acende a luz.

2009-04-18

Gelo no ártico tem extensão recorde

Esta é da série: "Notícias que ninguém dá". A extensão de gelo no ártico atingiu um nível recorde. Há mais gelo ao redor do polo norte do que houve nesta época desde 2002. Veja o gráfico abaixo, cortesia do Centro Internacional de pesquisa do Ártico em colaboração com a Agência Japonesa de Exploração Aeroespacial (JAXA):



Quem diria, heim? Com todas essas notícias pululando nos jornais sobre "Aquecimento Global", re-batizado como "Mudança Climática", quem esperaria níveis record de gelo ao redor do polo Norte? Se considerarmos também o fato de que a Antártida também está batendo recordes sucessivos de extensão de gelo, a posição dos governantes que querem a redução de emissões para prevenir o aquecimento global vai ficando mais e mais insustentável. Ridícula, até.

2009-03-28

O bom racismo

Está claro agora. No Brasil existem dois tipos de racismo. O primeiro é aquele que discrimina contra negros, pobres (ainda que pobres não sejam uma raça), nordestinos (raça?), petistas (raça maldita), índios, mulatos ou analfabetos (raça dos sem-letras?), e é considerado um crime inafiançável. E existe também o outro, o "bom" racismo, que discrimina contra os "loiros de olhos azuis".

Agora, aproveitando-se de que a maioria dos brasileiros é composta de pessoas com olhos e cabelo escuros, o Lula diz que a crise econômica foi causada pelos "loiros de olhos azuis". O que o Maloqueiro-mór disse não foi considerado por muitos um comentário racista. Os jornais internacionais, surpreendentemente, não atacaram a declaração do brasileiro. Gordon Brown disse, apropriadamente, que foi um comentário para "consumo interno" brasileiro somente. O que Lula disse foi pensado especialmente para incitar o racismo na população brasileira, assustar os ricos e estimular os ladrões de posses alheias. O conceito de que roubar de ricos não é crime já está firmemente estabelecido nesse país invertido que é o Brasil.

Agora o analfabeto - que não pode ser discriminado - pode apontar para o loiro de olhos azuis e dizer: "A culpa é sua!". Está amparado pela sábia declaração de Lula. "Eu não tenho olhos azuis", diz o brasileiro médio, e isso o alivia de toda a responsabilidade, o exime de todo racismo e o faz ficar indiferente ante a declaração que identifica a crise econômica com características físicas de pessoas.

O Lula não inventa nada, só copia. No Zimbabwe, aos fazendeiros "brancos" foi atribuida a culpa dos problemas locais, e acabaram por ser expulsos do país. Os Zimbabwenses "não-brancos" não puderam fazer com que as terras que eram dos "brancos" produzissem, e consequentemente passaram fome. Agora o governo do Zimbabwe está tentando fazer com que os "brancos" voltem. Poucos o farão, com medo de ser trucidados pela multidão alucinada que já havia sido incitada pelo próprio governo a roubar, matar e invadir as terras dos "brancos".

O racismo "bom", por uma estranha coincidência, é sempre aquele que discrimina contra os "outros". Como no Brasil os "outros" tem olhos azuis, este racismo tem tudo para alcançar altos índices de popularidade.

Não há racismo bom. Sempre é possível reverter a moeda. Racismo não é mais que atribuir características negativas a portadores de uma particularidade física. É isso que o Lula fez e, infelizmente, não foi por acidente.

2009-03-09

Um escravo da estupidez


Leiam o texto abaixo:

Os tontos parem de me indagar o que eu faria se a menina de nove anos fosse minha filha. A minha opinião, nesse caso, como já está claro, não coincide com a de dom José. Mas repudio a demonização de que ele está sendo alvo. Cobram de uma autoridade católica que deixe de atuar como... autoridade católica. É uma estupidez! De resto, não sou pai da garota. O pai dela, parece, era contrário ao aborto. O padre Edson Rodrigues, de Alagoinha, faz o seu relato.


O autor é o famoso coroinha Reinaldo Azevedo. Obviamente ele discorda da posição da igreja, SE A MENINA FOSSE SUA FILHA, como ele mesmo explica, por ser "um mau cristão". O que é impressionante é que não discorda da postura das autoridades católicas.

Haja escravidão mental. Vejam quando explica que o pai da garota era contrário ao aborto que provavelmente salvou a vida da menina. Reinaldo é um verdadeiro escravo dos abutres que se alimentam das carcaças que a ignorância vai deixando para trás.


2009-03-08

O Aborto de uma Criança

Rodrigo Constantino

A menina de apenas nove anos que havia sido estuprada pelo padrasto em Pernambuco e engravidado de gêmeos, realizou um aborto na manhã de quarta-feira. Membros da Igreja Católica tentaram impedir o aborto. O advogado da Arquidiocese de Olinda e Recife, Márcio Miranda, afirmou que vai denunciar o caso ao Ministério Público de Pernambuco. Ele afirmou que a Constituição prevê o princípio da dignidade do ser humano. Resta perguntar: qual ser humano?

Alguns religiosos estão tão imbuídos de sua cruzada moral que passaram a ignorar o próximo de carne e osso. A sensação de regozijo do membro da cruzada contra qualquer tipo de aborto, mesmo em casos absurdos como este, supera a própria empatia que ele poderia sentir pela pobre garotinha estuprada pelo padrasto e com apenas nove anos. Ele se sente moralmente superior aos demais, defendendo “a vida” a todo custo, mesmo que seja a vida de um feto precariamente formado, sem sensações ou sistema nervoso, enquanto a vida de uma pobre menininha é jogada em segundo plano.


Leia mais aqui, no excelente blog do Rodrigo Constantino.


2009-03-07

Quando os asnos opinam...

...até o Lula fica parecendo um gênio.

Estou falando do triste caso da menina de 9 anos estuprada pelo padrasto. Primeiro os fatos:

1. A menina foi estuprada pelo grotesco padrasto.

2. A menina ficou grávida de gêmeos, aos 9 anos.

3. Esta é uma gravidez de altíssimo risco e a menina poderia morrer se a levasse a termo.

4. As leis brasileiras determinam que, em caso de risco para a mulher (a menina) o aborto é permitido.

5. Os médicos e a mãe da menina concordaram em realizar a interrupção da gravidez para reduzir os riscos que a menina poderia correr.

Estes são os fatos. Agora vem a manifestação dos asnos:

Apareceu um cretino - aparentemente também bispo da igreja católica - dizendo que excomungaria os médicos e a mãe por causa do aborto. Não somente isso, o asno disse que o estupro não é algo tão grave quanto o aborto, portanto o padrasto não sofreria a tal "penalidade". A imprensa, corretamente, começou um merecido linchamento moral no bispo anti-aborto (mesmo que a criança morra) e pró-estuprador.

Posição insustentável? Claro. Entretanto esta é a posição da Igreja Católica. A igreja não se importa se a grávida vai morrer se mantiver a gestação. Deste assunto os católicos não gostam de falar, mas se uma mulher vai morrer por estar grávida, a posição da igreja é esta:

"Que morra!"


Por isso não me espantam as declarações do bispo-asno, apoiado pelo "santo" Papa e a burocracia do Vaticano. E é até saudável que ele se faça ouvir, disparando a esmo as suas "verdades" incoerentes.

Pelo menos assim todos ficam sabendo por quê a doutrina católica é obtusa e insustentável. Até o Lula parece razoável em comparação com estes trogloditas.

2009-03-05

Estágios

Primeiro vem a história de que furto de carro é normal, que o negócio é não reagir.

Aí você não reage, a polícia não reage, o governo não reage. No máximo alguém diz que fez-se "justiça social".

Depois vem a história que que assalto a mão armada é normal, tem muita gente necessitada no Brasil, o negócio é não reagir.

Aí você não reage, a polícia não reage, o governo não reage. No máximo diz que você tinha muita grana, mas recomenda sempre andar com dinheiro vivo para o ladrão.

Então vem o papo de que sequestro-relâmpago é normal, o negócio é não reagir.

Claro, obediente, você não reage, a polícia não reage, o governo não reage. Eles dizem que é para ficar calminho e levar os bandidos para sua casa e dar tudinho para eles. Ainda vem alguém e diz que você tinha demais mesmo e que tinha que compartilhar sua riqueza com os marginais necessitados.

Claro, aí vem o próximo estágio: você é empurrado do penhasco. Todo mundo pergunta "Mas por quê?" "Você reagiu?". Calmamente você responde que fez tudo certinho, não reagiu e mesmo assim, foi chutado no precipício.

A minha pergunta é outra. Eu pergunto:

"No fim das contas vocês esperavam o quê?"



2009-03-03

O país do buraco negro

Como se não tivéssemos bastante com os 50 mil assassinatos por ano, um Presidente-maloqueiro defendendo os assassinos do MST com seus ministros dizendo que assassinato é "arrojo", o governo empenhado em importar asassinos internacionais e ainda por cima defendendo que o dinheiro dos impostos seja desviado para esses canalhas, temos também isto:

No Brasil desaparecem 200.000 pessoas todos os anos, sem deixar vestígios. "Somem", simplesmente. E eu que pensei que os pouco mais de 12.000 desaparecidos durante 5 anos da ditadura militar na Argentina eram um absurdo inominável.

Duzentos mil por ano são equivalentes a 0.1% da população do Brasil. Em dez anos "some" 1% da população. Dentre os que sumiram, 10 a 15% nunca retornam. Quem é que disse que não morreram assassinados, junto com aqueles outros famosos 50 mil?

O Brasil realmente não é um país. O Brasil é só uma piada de péssimo gosto.

2009-03-02

A única explicação possível

A leitora Flávia mandou o seguinte comentário no post anterior, o do país Mequetrefe:

Zappi,

o que me diz um país que tem um movimento sem cpf ou cnpj (sonegando impostos) como o MST, que no seu site vende um monte de itens, e que o governo lhes dá um fartos depósitos em contas de dezenas de entidades, como se lê hoje no Estadão? E isso sem fiscalização? É o Brasil de Lula.

Flávia

veja aqui


1 de Março de 2009 12h16min0s BRT


É pior do que isso, Flávia. Muito pior. Quando Gilmar Mendes reclamou que o MST está recebendo dinheiro oficial para matar gente (ele disse "promover ilegalidades"), a grotesca pseudo-guerrilheira, ladra de bancos e laranja do Maloqueiro-mór, a estupefaciente Dilma Roussef explicou candidamente que não havia provas de que o dinheiro ia para o MST. Ela disse:

"Para que alguma coisa se caracterize como legalidade ou ilegalidade, ou há uma prova real ou uma manifestação do Judiciário. Eu estou falando de uma manifestação formal. Ou seja, com fundamento."


Só há uma explicação possível. A explicação é esta:

O Maloqueiro e sua Laranja favorita querem fazer do MST um braço armado clandestino do PT, financiando as invasões e as "escolinhas ideológicas" onde se aprende como invadir e depredar.

É a única explicação. E é coerente. O Lula fazia o mesmo quando sindicalista: vendia greves para os "trabalhadô" e cobrava para voltar ao trabalho dos "Patrão". Estão só extendendo o sistema para as propriedades rurais.

Nada atrasa mais o Brasil do que o grande Deus-Maloqueiro e tudo o que está a seu redor.

2009-02-18

País civilizado versus país mequetrefe



Sim, falo da Suiça e do Brasil e o "caso da Brasileira" ou, em lingua local "Die Brasilianerin". Qual a diferença?

Na Suiça, dizem:

"Ela tentou enganar a polícia. Os contribuintes suiços não podem pagar pelo transtorno que ela causou."

No Brasil, dizem:

"Preconceito! Barbárie! Pobrezinha da brasileira. Mesmo que não tenha sido atacada, ela teve esse "problema" porque ela mora num lugar horrível"

A mentira da brasileira despertou os instintos mentirosos de Lula, o magnânimo Maloqueiro-mór, que carinhosamente explica ao seu povo "as disvantagi" de morar na Suiça. Cá entre nós, todos sabemos que ele é um grande entusiasta da mentira patológica.

Não há problema. Como o Brasil importa criminosos, aceitaria de bom grado uma cidadã mentirosa de volta. Quem sabe ela se candidata a deputada por Pernambuco? O PT, sem sombra de dúvida, a apoiará, já que reúne os principais requisitos.

Os contribuintes brasileiros, eternos imbecis, JÁ pagaram um monte por causa da mentira patológica (tanto da "brasileira" como do "maloqueiro"). A Suiça não vai deixar por menos, e vai se assegurar de que todos os custos de hospital e o tempo perdido pela sua polícia sejam contabilizados e a conta devidamente apresentada à "brasileira". Fazem muito bem.

Eu tenho uma pequena pergunta, entretanto. Já que o Lula foi tão rápido em apontar a "injustiça" e o "preconceito" contra a "brasileira" que também é "pernambucana" e "nordestina", porque não faz um levantamento e verifica quantos cidadãos suiços foram assassinados no Brasil desde 1980? Afinal houve UM MILHÃO DE ASSASSINATOS nesse período no maravilhoso país tropical. A grande maioria dos mortos era de cidadãos brasileiros, com os quais o Brasil não se importa em absoluto.



2009-02-17

Todos os fogos, o fogo - 2

É comum se acreditar que os movimentos ecológicos com seus "Greenpeace", "PETA" e "Salve o mico-leão dourado" são manifestações inofensivas de um "ethos" em ascensão. Palavras como "sustentabilidade" e "baixo perfil de carbono" ressoam e são repetidas ad infinitum por pessoas que acreditam literalmente que estão salvando a humanidade.

Infelizmente a ignorância de quem defende as nobres causas ecológicas é em geral profunda e perigosa. Um imbecil que defende a "sustentabilidade" é como o nazista dos anos 40 que acreditava na "superioridade ariana". A ignorância de um não deixa nada a dever à ignorância do outro. Palavras vazias em mentes vazias.

No caso dos incêndios australianos, essa mesma mentalidade ignóbil que acredita tudo que é "natural" é também automaticamente "bom" impediu residentes de cortar árvores à volta de suas casas. Como vimos no post anterior, ter uma clareira aberta ao redor da casa ajudaria mas não seria suficiente para salvar as pessoas de morrerem esturricadas pela onda de fogo que varreu as florestas e que vinha carregada pelo vento.

O ponto fundamental e aparentemente contra-intuitivo é que a floresta DEVE ser queimada periodicamente, ANTES de que o acúmulo de material combustível atinja o ponto crítico. As queimadas devem ser feitas, mesmo que os eco-loucos protestem e se amarrem em árvores para impedir a morte de bichinhos.

Quando um incêndio foge ao controle como esse fugiu, milhões de animaizinhos morrem queimados. As queimas controladas em dias e lugares pré-estabelecidos são a única solução razoável para o problema dos incêndios australianos.

A terrível imagem de crianças morrendo engolidas pelo fogo deveria ser o foco desta discussão. Quem é pai ou mãe sabe do que estou falando.

Como os nazistas, os ecologistas fanáticos são assassinos. Como os nazistas, eles também não percebem que estão matando. Acham, como os nazistas também achavam, que são parte de uma missão para salvar o mundo.

Resta só uma conclusão sobre este triste episódio, previsível e evitável: não há fogo mais letal do que a estupidez humana.

2009-02-15

Todos os fogos, o fogo

Antes daquele sábado fatídico (7 de Fevereiro de 2009), o Australian Bureau of Metereology já avisava: teríamos 47°C e ventos de 80 km/h. Uau! O que significa isso?

Eu nunca tinha estado em nenhum lugar cuja temperatura chegasse a níveis absurdos como esse. Para se ter uma idéia, em Manaus, uma cidade famosa de tão quente, a temperatura raramente passa dos 33°C. A diferença é a humidade, que em Manaus beira os 100% todos os dias.

Em Melbourne os poucos dias de calor são secos. Isso faz com que não percebamos tanto, mas ao mesmo tempo temos que tomar cuidados especiais. A desidratação é certa se não bebermos água continuamente.

Esse dia o tempo foi seco, mas era diferente. Fazia tanto calor que o ar queimava a pele. Nunca havia sentido isso. A absurda ventania fazia imaginar que estávamos todos dentro de um secador de cabelos. Folhas secas e restos de cascas de árvore eram levantadas pelo vento em absurdos redemoinhos. Bastaria uma fagulha, uma minúscula fagulha em qualquer lugar...

E fagulha houve. Mais de uma, naturalmente. O vento alimentava o fogo que se propagava à velocidade do vento. Quem estivesse no caminho do fogo sofreria morte certa, estivesse a pé, dentro de um carro ou em casa. O inferno varreu casas, matou famílias inteiras, não poupou crianças de uma morte horrível. Vejam o como é o inferno na terra aqui. Quem filmou isto só sobreviveu porque não foi pego diretamente pelo gigantesco redemoinho de fogo.

Tragédia inevitável? Vejamos.

O fogo é velho conhecido das florestas australianas. Quando Darwin esteve aqui, há mais de 150 anos, ficou impressionado pela falta de diversidade de árvores nas gigantescas florestas quase que exclusivamente de eucaliptos. O motivo é que os eucaliptos desenvolveram alguma estratégia para sobreviver a estes infernos. A floresta australiana tem queimado por muitos milhões de anos!

Os eucaliptos perdem folhas e pedaços de casca que vão acumulando material combustível no solo por décadas. Aproximadamente uma tonelada de folhas secas por hectare por ano ficam ali, esperando um dia mais seco e quente para queimar. Após 8 anos o volume de material combustível já é suficiente para gerar as monstruosidades que vimos nesse sábado negro.

Os colonizadores ingleses surpreenderam-se com um destes impressionantes incêndios em 1851, quando houve muitas mortes. Hoje em dia a situação é muito mais perigosa pois é cada vez mais comum encontrar gente que, por algum irracional impulso "natureba", quer ir morar no meio do "Australian bush". Estive recentemente em um dos lugares que queimaram totalmente. As casas, rodeadas de árvores, pareciam desertas, como muitas vezes acontece por aqui. A vida australiana é sempre nos fundos. Lugarzinhos bucólicos, sombreados, com casas de madeira, algum brinquedo de criança na frente. Imediatamente penso na fábula dos três porquinhos e a casa de palha. Quem viu os estragos notou que em muitos lugares, apesar das árvores maiores terem resistido, as casas se transformaram em amontoados de cinza e metal retorcido. Casas de madeira, no caminho dessa onda de fogo, queimam em segundos. A madeira seca, quando irradiada pelo furacão incendiário, começa a queimar instantaneamente.

Você teria uma casa de madeira no meio de uma floresta que vai com certeza queimar totalmente? Esse é o primeiro absurdo que notei e que ninguém menciona na imprensa. Todos estão preocupados com a causa do incêndio, com quem acendeu o fósforo. Muito poucos estão pensando em como teríamos que ter evitado as consequências.

Em um próximo post (clique aqui para continuar lendo) explicarei o que deveria ter sido feito para evitar o desastre, que já era inevitável.

2009-02-02

A imagem dos cariocas (II)

A grife italiana Relish pediu desculpas pelos comerciais com PM's revistando modelos.

Agora só falta o governo do Rio de Janeiro pedir desculpas pelos assassinatos cometidos todos os dias sob o olhar inútil de sua frouxa e incompetente força policial. Por estas desculpas, podem esperar sentados.

2009-01-31

A imagem dos cariocas

O governo do Rio de Janeiro está muito preocupado com uma campanha que seria "para denegrir a imagem do Rio no exterior". Não, os PM's não fazem isso, disseram. "Quando uma mulher é revistada, sempre é por uma policial feminina". Ah, bom, entendi agora. A campanha denigre a imagem do Rio porque eles se enganaram e colocaram policiais homens para revistar modelos italianas... que teriam sido revistadas por policiais mulheres.

O probleminha que os cariocas sempre parecem esquecer é que a imagem do Rio de Janeiro não precisa ser denegrida por campanhas estrangeiras. A imagem do Rio já é, em linguajar carioca, uma Merrrrrda - assim mesmo, carregando no erre, como os cariocas fazem tão bem.

Esta eficientíssima polícia carioca que jamais tocaria em uma modelo estrangeira é também a eficientíssima polícia que não prende assassinos, não entra em favelas e vende proteção para pontos de tráfico, entre outras nobres atividades. O índice absurdo de assassinatos no Rio de Janeiro não me deixa mentir. Denegrir? Esta campanha não adiciona um pingo à já completamente destruída reputação de uma das cidades mais violentas e sujas do mundo.

E para converter a ironia em sarcasmo, os políticos fingem estar estressadinhos, esses mesmos que vão à favela pedir votos para traficantes, em vez de demolí-las de uma vez.

2009-01-25

E dá-lhe assassinos

Enquanto no Brasil o presidente faz questão de importar assassinos, outros assassinos menores ficam na moitinha.

Em vez de acusar os verdadeiros criminosos, inventou-se a "bala perdida" e a "linha com cerol" como assassinos anônimos. É difícil de entender que a "bala perdida" foi disparada por um assassino e que a "linha com cerol" foi esticada por um assassino? É difícil entender que assassinos tem que ser presos? Qual parte do problema os brasileiros ainda não entenderam?

A verdade é que o Brasil nunca foi muito famoso pelos seus pensadores. Ainda há tempo de fazer algo. Proteste!